Política

Lewandowski divulga nova decisão; entenda porque Melo não volta ao Governo do AM

Na primeira decisão, o ministro Lewandowski não deixou claro que apenas as eleições diretas deveriam ser suspensas | Divulgação

O Supremo Tribunal Federal (STF) republicou a decisão do ministro Ricardo Lewandowski que havia sido divulgada na manhã desta quinta-feira (29) no Diário Oficial. O documento determinava a suspensão do acórdão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que cassava o mandato de José Melo (Pross) e de seu vice, Henrique Oliveira (SD) e determinava a realização imediata de Eleições Diretas.

De acordo com a assessoria do STF, a decisão de Lewandowski foi mal interpretada. O ministro pretendia impedir apenas as eleições diretas e não a cassação de Melo e Henrique. Na primeira versão do documento, o ministro falava em suspender o acórdão, que é o conjunto das duas decisões do TRE. A próxima edição do documento deve especificar que apenas a eleições devem ser canceladas até que os recursos impetrados pela defesa de Henrique sejam julgados.

Procurada pela reportagem, a assessoria de Lewandowski afirmou que o ministro está em em uma viagem internacional a trabalho e deve retornar apenas após o recesso do STF, em agosto.

As férias do STF devem adiar os julgamentos no TRE e protelar a decisão final sobre as eleições | Divulgação

Os próximos passos, a partir de agora, dependem do julgamento dos recursos impetrados pela defesa de Henrique Oliveira, no TRE. Até lá, David Almeida (PSD) continua chefiando o executivo estadual.

A nova decisão não deve acontecer tão cedo. O cientista político e professor universitário Helso Ribeiro explicou como as férias do STF afetam os julgamentos do TRE.

“A corte do TSE é formada por três ministros do STF, sendo que um deles preside o tribunal, dois ministros do STJ e mais dois juristas indicados pelo presidente e aprovados pelo Senado Federal. Com as férias do STF a corte é desfeita e naturalmente os julgamentos são adiados”, explicou o cientista político.

O próprio relator do processo é um dos ministros do STF, Luís Roberto Barroso, que atua como substituto no TSE. Além do período de férias, a tramitação do processo também deve protelar a decisão final sobre as eleições no Amazonas.

O senador e candidato ao Governo do Amazonas, Eduardo Braga, vai recorrer da decisão do STF | Divulgação

“Não é tão simples, todos os ministros devem estar com os processos em mãos e estudá-los antes que o julgamento seja agendado. Além disso, existem centenas de processos à frente deste”, afirmou Helso Ribeiro.

Parte envolvida no processo, o senador Eduardo Braga (PMDB) conversou com a reportagem, disse que recebeu a decisão de Lewandowski com surpresa e indignação.

“A decisão monocrática do ministro não reverte o fato de que a eleição foi fraudada. Nós estamos em reunião com os nossos advogados e vamos tomar todas as medidas possíveis para que esta questão seja sanada o mais rápido possível e nós possamos prosseguir com as eleições”, afirmou o Senador.

Gabriel Costa
EM TEMPO

 

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir