Política

Lava Jato pode parar usinas de Angra e afetar fornecimento de energia

Envolvida no esquema de pagamentos de propina investigado pela Lava Jato, a Eletronuclear não tem dinheiro para pagar uma dívida de R$ 500 milhões pelo combustível de Angra 1 e 2 e as usinas correm o risco de parar em seis meses.

As duas centrais respondem por 1,4% da energia do sistema elétrico nacional -o que seria suficiente para abastecer quase metade do Estado do Rio de Janeiro durante um ano.

Hoje, o combustível nuclear das usinas é fornecido pela INB (Indústrias Nucleares do Brasil), estatal que detém o monopólio da exploração de urânio no país. Ela cobra a fatura milionária da Eletronuclear há seis meses. A Eletronuclear é uma subsidiária da Eletrobrás. Ambas estão sob investigação da Polícia Federal.

As conversas pelo pagamento estão travadas desde o fim de julho, quando o almirante Othon Luiz Pinheiro, presidente licenciado da estatal, foi preso pela Polícia Federal. Ele é investigado por supostamente ter recebido propina de construtoras que fazem Angra 3.

O caso colocou em pé de guerra o Ministério da Ciência e Tecnologia, a que a INB está vinculada, e o Ministério das Minas e Energia, que responde pela Eletronuclear.

A reportagem apurou que, há duas semanas, o ministro Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia) tenta um acordo com o ministro Eduardo Braga (Minas e Energia), mas as negociações não avançaram. Braga não explica por que a Eletronuclear não tem caixa para pagar a fatura. Nas correspondências, a empresa só diz que “está com problemas financeiros” e o caso segue sem solução.

ANTECEDENTES

Em maio, o presidente da INB, Aquilino Senra Martinez, informou o ministro Aldo Rebelo que a situação tinha passado do limite.

Na carta, a que a Folha de S.Paulo teve acesso, Martinez informou que, se a dívida não fosse paga até o fim de julho, não seria mais possível fornecer o combustível nuclear do próximo ano para Angra 1 e 2.

O enriquecimento do urânio e a fabricação das pastilhas combustíveis usadas pelas usinas é um processo demorado que exige planejamento antecipado, em geral, de um semestre. As entregas para este ano estão garantidas porque o combustível já vinha sendo produzido. O que pode ser paralisado, caso a situação não seja resolvida nas próximas semanas, é a produção do próximo semestre.

Hoje, as usinas geram 95% das receitas da INB. A empresa estatal diz na carta que “a dívida está reduzindo o fluxo de caixa” e que a INB “não teria mais como operar para a Eletronuclear”.

Por meio de sua assessoria, a Eletronuclear disse que não poderia comentar detalhes do acordo com a INB porque o contrato é sigiloso.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação informou que os ministros Aldo Rebelo e Eduardo Braga “trataram recentemente deste tema” e Braga “assegurou que encaminhará uma solução adequada para o caso”.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir