Dia a dia

Laudos sobre incêndios do fim de semana devem sair em 30 dias

Conforme a Defesa Civil, a possível causa para os dois incidentes pode ter sido sobrecarga na rede elétrica - Diego Janatã

Conforme a Defesa Civil, a possível causa para os dois incidentes pode ter sido sobrecarga na rede elétrica – Diego Janatã

Os laudos da perícia técnica da Polícia Civil a respeito das causas dos incêndios registrados no último sábado em uma loja de brinquedos e em um depósito de produtos importados, situados em locais distintos de Manaus, devem sair em 30 dias. Entretanto, de acordo com o técnico da Defesa Civil de Manaus, Ednaldo Afonso Lopes, os proprietários dos estabelecimentos devem primeiro registrar Boletins de Ocorrência (BO) para que as responsabilidades sejam apuradas.  

“No domingo pela manhã levamos nossos engenheiros para avaliar as condições do centro comercial na rua Doutor Moreira, no Centro. Olhamos os edifícios vizinhos para ver se as estruturas haviam sido comprometidas, mas a princípio não constatamos nada, inclusive nos andares inferiores onde ocorreu o incêndio. O terraço terá que ser demolido, pois lá observamos fissuras”, informou.

Ainda segundo Lopes, o proprietário do depósito de importados, identificado apenas como “José Edmar”, deverá ser responsabilizado pelos danos sofridos pelos inquilinos das salas comerciais e lojas nos arredores do imóvel. O comerciante foi orientado a registrar um B.O.

“O José Edmar disse que um fio de responsabilidade da Manaus Energia deve ter estourado e pode ter causado isso. Ele tem que fazer um boletim para pedir o laudo da perícia. Nós da Defesa Civil também vamos fornecer um laudo, e quem foi prejudicado também deve recorrer a uma delegacia e registrar o BO”, salientou Lopes, chamando a atenção para o fato de que, o dono do depósito provavelmente não tem seguro.

No caso da loja de brinquedos, situada na rua João Valério, bairro Nossa Senhora das Graças, Zona Centro-Sul, apesar do lugar ter sido totalmente consumido pelas chamas, não há muitos riscos às propriedades vizinhas. O técnico da Defesa Civil disse que a parede lateral do estabelecimento ficou comprometida e se for demolida, o que é recomendável, poderá danificar o muro dos fundos de uma casa.

A proprietária da loja, Cirene Araújo Batista, limitou-se a informar que reunirá todos os documentos necessários para que seja dada a entrada no pedido do seguro e que a partir de hoje, passará a atender sua clientela em outra loja, localizada em um centro comercial na rua Rio Madeira.

Conforme a Defesa Civil, a possível causa para os dois incidentes pode ter sido sobrecarga na rede elétrica, o que causou curto-circuito.

Por Cecília Siqueira

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir