Dia a dia

Laudo da análise de água de Tabatinga é divulgado

Tabatinga registrou mais de 2 mil casos de doenças diarreicas entre o fim de maio e o início de junho, chamando a atenção da FVS-AM - foto: divulgação

Tabatinga registrou mais de 2 mil casos de doenças diarreicas entre o fim de maio e o início de junho, chamando a atenção da FVS-AM – foto: divulgação

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), divulgou nesta terça-feira, os resultados dos exames que foram realizados em amostras de água, coletadas em Tabatinga (a 1.105 quilômetros de Manaus), onde foi registrado entre o fim de maio e o início de junho, um surto de doenças diarreicas, com mais de 2,5 mil casos notificados.

De acordo com o diretor-presidente da FVS-AM, Bernardino Albuquerque, a análise da água, tanto das amostras coletadas no rio (captação) quanto na entrada dos reservatórios da Companhia de Saneamento do Amazonas (Cosama), antes do tratamento, mostraram a presença de coliformes e bactérias como a Escherichia Coli (e.coli).

“Após a água ser tratada pela Cosama com boa concentração de cloro, não foi detectada a presença de bactérias. É importante frisar que a Cosama é responsável pelo abastecimento de 50% das residências do município, sendo o restante, coberto por outras fontes como, rio, poços e cacimbas”, explicou Bernardino. Ele ressaltou que está em andamento o mapeamento dessas outras fontes de água.

Em relação às amostras biológicas dos pacientes, Bernardino informou que os resultados constataram, além da presença do rotavírus, bactérias como e.coli e protozoários intestinais, como giárdia e ameba. “Todos esses agentes infecciosos provocam diarreia e vômito, tanto em crianças quanto em adultos. A FVS recomenda à população local que deve continuar o uso do hipoclorito de sódio para purificar a água”, salientou.

Segundo Albuquerque, a situação em Tabatinga está sob controle, com o declínio significativo do número de casos de doenças diarreicas. “Mas ainda não atingiu o nível da normalidade, por isso a recomendação para que os cuidados com a água continuem sendo reforçados”, acrescentou Bernardino.

Potabilidade

No último dia 8, em entrevista ao EM TEMPO, o diretor-presidente da Cosama Heraldo Câmara informou na ocasião que ao tomar conhecimento de que havia um surto de diarreia em Tabatinga, destacou um bioquímico da empresa para atuar com a FVS e coletar amostras de água para realizar uma avaliação. O resultado da análise constatou que a água fornecida pela empresa não estava contaminada e que a mesma se encontrava dentro dos padrões de potabilidade.

“Não temos confirmado que os casos de diarreia ocorrida estejam ligados a água, embora sabemos que, aproximadamente, de 60% da população de Tabatinga consome água oriunda de poços e cacimbas feitos em sua residência, sem tratamento e por isso de qualidade duvidosa. No entanto, podemos garantir que a água produzida na estação de tratamento da Cosama, atende aos padrões de potabilidade de água”, afirmou Câmara na ocasião.

Ele também explicou que o sistema de abastecimento de Tabatinga opera com uma estação de tratamento de água tipo convencional, com as etapas distintas de coagulação, floculação, decantação, filtração e desinfestação funcionado 24h por dia, com uma vazão de 540 mil litros de água por hora. Segundo ele, a estação de tratamento de água do município foi recentemente inaugurada e substitui a antiga estação de tratamento de filtração ascendente. Operando normalmente desde o final de 2014.

O diretor-presidente da Cosama, destacou que na antiga estação de tratamento havia um laboratório de análise fisioquímico e microbiológico que foi depredado por vândalos. Um novo laboratório está sendo construído pela empresa.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir