Dia a dia

Justiça Estadual não acata suspensão da Faixa Azul

A Ação Civil Pública que visava suspender, de imediato, a utilização exclusiva das Faixas Azuis em todas as vias públicas de Manaus foi protocolizada pelo promotor Paulo Stélio - foto: Ione Moreno

A Ação Civil Pública que visava suspender, de imediato, a utilização exclusiva das Faixas Azuis em todas as vias públicas de Manaus foi protocolizada pelo promotor Paulo Stélio – foto: Ione Moreno

A Justiça Estadual não acatou a proposta do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) para suspender a implantação do sistema de corredor viário Faixa Azul. A informação foi do diretor-presidente da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), Pedro Carvalho destacando que com a medida “agora será o momento de seguir em frente na melhoria”.

O promotor Paulo Stélio, autor do recurso da suspensão, disse que irá recorrer da decisão, apesar do recesso forense que se nesta sexta-feira (18).

Para Pedro Carvalho, a Lei de Mobilidade Urbana faz com que os gestores se preocupem com o transporte coletivo dos cidadãos e, segundo ele, a intenção é chegar no sistema de transporte público baseado no uso de ônibus de tráfego rápido, o BRT.

“Queremos melhorar o transporte coletivo para os cidadãos de Manaus. A Faixa Azul é o caminho da melhoria, pois os corredores dão maior desempenho para os ônibus que precisam de atenção especial, pois é o transporte da maioria da população da nossa cidade”, afirmou Carvalho, ao ressaltar que as reclamações em relação ao sistema partem das pessoas que utilizam veículos particulares.

“Temos que pensar coletivamente. Quem tem carro, tem a possibilidade de fazer uma mudança na rota e não seguir a mesma dos ônibus, ao contrário dos usuários do transporte público”, ponderou. O superintendente afirmou, ainda, que mais de 3 mil pessoas aderiram às linhas de ônibus que passam pela Faixa Azul, pois perceberam uma maior fluidez nos trajetos para ir ao trabalho e escolas, ou voltar para os lares.

A Ação Civil Pública que visava suspender, de imediato, a utilização exclusiva das Faixas Azuis em todas as vias públicas de Manaus foi protocolizada pelo promotor Paulo Stélio, que ainda hoje poderá recorrer da decisão de não embargo do sistema. De acordo com ele, é importante que se suspenda o projeto até que um plano de mobilidade urbana seja apresentado pela Prefeitura de Manaus.

O processo foi ajuizado no dia 9 de novembro deste ano e tramitava na Segunda Vara da Fazenda Pública Municipal, por meio do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da 63ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa da Ordem Urbanística (Prourb). Na ação que pede o embargo da Faixa Azul também era solicitado que o poder público municipal se abstenha de implantar novos corredores exclusivos e semi-exclusivos para ônibus. Apesar do processo se tratar de uma interdição imediata, o trânsito na capital não sofreu qualquer mudança, com ônibus circulando pela faixa exclusiva e carros de pequeno porte nas demais faixas.

Plano de Mobilidade

Segundo o presidente da Câmara Municipal de Manaus Wilker Barreto (PHS), o plano de mobilidade urbana será votado na próxima segunda feira (21).

Por Asafe Augusto

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir