Dia a dia

Justiça determina que índios desocupem sede do Dsei, em Parintins

O advogado do movimento indígena no Baixo-Amazonas, Tito Meneses, disse que até a tarde desta sexta-feira (25), as lideranças indígenas dos povos Sateré-Mawé e Hescariana, que há 31 dias ocupam a sede do Distrito Especial de Saúde Indígena em Parintins (a 369 quilômetros de Manaus), não haviam sido notificadas da liminar da juíza federal, Jaiza Fraixe, determinando a desocupação da sede do Dsei.

 Segundo o advogado, o mesmo só irá se pronunciar quando receber a notificação. “Não posso falar sobre o que ainda não temos ciência, o que eu posso falar é que o movimento indígena foi vitorioso. Com a saída do ministro da saúde caiu também o senhor Antônio Alves, que vinha apoiando essas arbitrariedades contra os povos indígenas”, afirmou.

Na decisão, a juíza reconhece a luta dos povos indígenas, mas entende que a sede de um órgão público não pode ser ocupada de forma irregular.

 A saída de Antônio Alves da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) também foi comemorada pelo Sateré-Mawé Derly Batista.

“Segunda-feira haverá uma reunião aqui no Dsei com as lideranças e uma equipe que virá de Brasília, já com o nome do coordenador interino que ficará provisoriamente no lugar de Paula Cristina”.

Por Tadeu de Souza

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir