Sem categoria

Julgamento da socialite Marcelaine Schumann está marcado para 1º de junho

Marcelaine Schumann é suspeita de mandar encomendar a morte de Denise Almeida - foto: Ione Moreno

Marcelaine Schumann é suspeita de mandar encomendar a morte de Denise Almeida – foto: Ione Moreno

A socialite Marcelaine dos Santos Schumann, 37, acusada de ter mandado matar a universitária Denise Almeida da Silva, 35, em novembro de 2014, será julgada no dia 1º de junho deste ano no Fórum Ministro Henoch da Silva Reis. A data foi confirmada pelo juiz Mauro Antony, da 3ª Vara do Tribunal do Júri. O motivo, conforme consta no processo, foi ciúmes. Ela e Denise mantinham um romance extraconjugal com o mesmo homem, o empresário Marco Souto. Os três eram casados. Denise sobreviveu.

Marcelaine foi denunciada pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) pelo crime de tentativa de homicídio qualificado por motivo torpe. A pena, em caso de condenação, é de 15 anos de prisão.

Além de Marcelaine, serão julgados também Charles Mac Donald’s Castelo Branco, 28; Karen Arevalo Marques, 23; e Rafael Leal dos Santos, conhecido como ‘Salsicha’, 26. Eles são acusados de planejar a execução do crime.

Marcelaine dos Santos Schumann foi presa pela Polícia Federal no dia 5 de janeiro de 2015 ao desembarcar no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus. Ela havia chegado de uma viagem a Miami, nos Estados Unidos, onde passava férias com o marido, o empresário Edmar Costa. Ainda na aeronave, a socialite recebeu voz de prisão. Ela encontra-se presa no Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF), no quilômetro 8 da rodovia BR-174.

O crime

Denise foi alvejada com dois tiros, no dia 12 de novembro de 2014, dentro do próprio carro quando saía do estacionamento da academia Cheik Club, na avenida Getúlio Vargas, no Centro de Manaus. Câmeras do circuito de segurança do estacionamento registraram a ação dos criminosos. Um homem se aproximou, bateu no vidro do veículo e efetuou três disparos. Um dos tiros atingiu o pescoço da universitária.

A polícia prendeu, na época, quatro pessoas suspeitas de envolvimento no crime: Rafael Leal, o ‘Salsicha’, o autor dos disparos contra a universitária; Charles Mac Donald’s, o negociador; Karen Arevalo, responsável por conseguir o revólver; além do vigilante Edney Costa Gomes, 27, preso no dia 19 de dezembro. Segundo a polícia, ele seria o responsável por indicar e fornecer contatos do primo dele, Charles Mac Donald’s, e de Rafael Leal. Eles receberiam R$ 6,5 mil de Marcelaine.

Em depoimento, Marcelaine negou o crime, mas Charles disse que contratou por R$ 3 mil o pistoleiro Rafael Leal para eliminar ou deixar aleijada Denise a mando da socialite.

Durante as investigações, em cumprimento a mandado de busca e apreensão, a polícia encontrou no apartamento da socialite, localizado no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul, um envelope com anotações dos locais frequentados por Denise e o marido, o advogado Erivelton Ferreira Barreto, 40. O conteúdo também informava o nome completo, endereço, placa e modelo do carro de Denise, uma Mercedes-Benz branca.

Ainda no envelope, também havia dados do esposo de Denise e duas fotos da própria Marcelaine com o suposto amante, Marcos Souto. Em uma das fotografias, Marcelaine aparece em momento íntimo, aos beijos com o empresário.

O Júri

O Tribunal do Júri é o colegiado de sentença formado por um juiz e por sete pessoas selecionadas da sociedade que competem julgar os crimes dolosos contra a vida -, homicídio doloso, infanticídio, participação em suicídio, aborto, tentados ou consumados e seus crimes conexos. O Júri decide as questões que por lei são submetidas à sua apreciação em condenação ou não dos réus.

Por Josemar Antunes

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir