Política

José Rainha, ex-líder do MST, é condenado a 31 anos de prisão

A 5ª Vara Federal em Presidente Prudente (SP) condenou o ex-líder do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) José Rainha Júnior a 31 anos e 5 meses de prisão pelos crimes de extorsão, formação de quadrilha e estelionato, além do pagamento de multa.

Rainha foi investigado em 2011 pela Polícia Federal na Operação Desfalque, que apurou um esquema de extorsão em empresas e desvio de verbas destinadas a assentamentos agrários. Por causa de um habeas corpus, Rainha poderá apelar da sentença em liberdade.

De acordo com o Ministério Público Federal, Rainha e os outros réus da ação utilizavam trabalhadores rurais ligados ao MST como “massa de manobra” para invadir terras e exigir dos proprietários o pagamento de contribuições para o movimento.

Porém, interceptações telefônicas apontaram que o dinheiro era desviado para os integrantes da quadrilha. Também foi condenado Claudemir Silva Novais, apontado como um dos principais integrantes da quadrilha liderada por Rainha.

Em 2011, Rainha teria recebido R$ 70 mil de duas empresas para não invadir e queimar plantações de cana em fazendas da região do Pontal do Paranapanema e Paraguaçu Paulista. Também foi acusado de pedir R$ 112 mil a uma concessionária de rodovias após ameaçar obstruir e danificar praças de pedágio da empresa.

A decisão aponta que a quadrilha também se apropriou de cestas básicas fornecidas pelo Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) a famílias de assentamentos -cobravam uma taxa dos trabalhadores rurais alegando que se tratava do custo do frete.

“A ganância desenfreada se mostra na realização de diversas ameaças ou invasões de terra, sempre com o objetivo de auferir proveito próprio”, afirma o juiz federal Ricardo Uberto Rodrigues na sentença.

A reportagem tentou contato com José Rainha Júnior, sem sucesso. O MST, por meio de sua assessoria de comunicação, informou que Rainha não integra o movimento desde 2007, e que não comentaria a decisão.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir