Política

José Melo evita falar sobre apoio à presidente Dilma

Governador José Melo participou, ontem, de solenidade de outorga de Medalha e Diploma do Mérito Judiciário, no Tribunal de Justiça, e evitou falar sobre eventual adesão ao grupo de governadores que apoia Dilma- foto: divulgação/Secom

Governador José Melo participou, ontem, de solenidade de outorga de Medalha e Diploma do Mérito Judiciário, no Tribunal de Justiça, e evitou falar sobre eventual adesão ao grupo de governadores que apoia Dilma- foto: divulgação/Secom

Líder de um partido que dá sustentação ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT), o governador José Melo (Pros) tem evitado mostrar um posicionamento mais ostensivo em relação ao momento político delicado que o país atravessa e ao processo de impeachment contra a presidente, deflagrado na semana passada na Câmara dos Deputados.


Nessa terça-feira (15), quando participava de uma solenidade de entrega da Medalha e Diploma do Mérito Judiciário, no pleno do Tribunal de Justiça (Tjam), o governador evitou falar do tema ao ser abordado pela reportagem. Na semana passada, 16 governadores do país assinaram uma carta da legalidade, em favor de Dilma e contrários ao impeachment. Melo não estava presente por estar em Paris acompanhando a Conferência do Clima, a COP21. Ele também não enviou nenhum comunicado a respeito.

A carta já foi assinada pelos governantes do Estado do Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Roraima, Santa Catarina e Sergipe.

Na solenidade, Melo preferiu falar sobre sua experiência na COP. Ele disse à reportagem que o evento na capital francesa serviu para acordar decisões de recursos estabelecidos para a mitigação da questão ambiental, como o estabelecimento do Fundo de US$ 100 bilhões por ano, frente às despesas de recuperação.

“Pela primeira vez nós conseguimos construir em torno de regiões como a nossa, regiões de florestas preservadas, uma matriz importante. Até então o que se propugnava era sequestro de carbono. O que levamos para a França foi a ideia de uma matriz econômica diferenciada e que seja sustentável, que o mundo venha investir aqui (Amazonas), em atividades econômicas sustentáveis”, ressaltou.

Ele adiantou que uma reunião está prevista para acontecer em fevereiro do próximo ano, envolvendo ambientalistas e empresários para que possam construir substâncias melhor frente à matriz energética do Amazonas.

Perda de mandato

Questionado sobre o parecer do Ministério Público Eleitoral, que recomenda a cassação de seu mandato em conjunto com o vice, Henrique Oliveira (SDD), em uma das ações movidas pela coligação adversária Renovação e Experiência, que tinha à frente o candidato Eduardo Braga (PMDB), Melo explicou que o parecer é apenas de cunho opinativo e que está tranquilo em relação ao processo.

“O Ministério Público não decide se cassa ninguém. O parecer do MP é opinativo. Na verdade, quem decide é a corte, que soberanamente já tomou algumas decisões às quais já fomos isentados. Portanto, o MP cumpre o seu papel de dar sua opinião e a corte julga à luz da lei”, esclareceu.

Melo afirmou que até o momento ganhou todos os julgamentos e que acredita nos votos da corte. “Nossa eleição foi dentro de princípios limpos, tanto é que nossa diferença de votos foi de 173 mil, lutando contra um candidato que todos conhecem, que sabe fazer. Portanto, foi uma eleição para o povo e estou muito tranquilo quanto isso”, concluiu.

Solenidade

A sessão solene no Tjam foi o marco do encerramento do ano no Judiciário amazonense. A cerimônia aconteceu após a sessão de julgamentos da corte, a última do ano. Dentre os homenageados, se destacam a primeira-dama do Estado, Edilene Gonçalves de Oliveira; o general do Exército, Theophilo Gaspar; os vice-almirantes Wagner Lopes Zamith, Domingos Sávio Nogueira; o desembargador Lupercínio de Sá Filho; a reitora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Márcia Perales; e o procurador-geral de Justiça, Fábio Monteiro.

De acordo com o governador, o reconhecimento por parte de instituições é de extrema importância para a qualidade do trabalho desenvolvido. “Nós, humanos, somos movidos pela razão e pela emoção. Então é muito bom quando vemos que instituições reconhecem o trabalho, o esforço e a dedicação que a gente tem. E, nesse contexto, eu fico muito feliz pela participação de minha esposa”, ressaltou.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir