País

Jornalista grava assédio sexual sofrido nas ruas de Teresina

Inspirada na iniciativa de uma ONG que filmou com uma câmera escondida o assédio sexual sofrido por mulheres nas ruas de Nova York, a editora-chefe do portal de notícias piauiense ‘O Olho’, Sávia Lorena Barreto, 27, decidiu repetir o experimento em Teresina.

Ao longo de duas horas de caminhada pelo centro da capital do Piauí, vestindo uma calça jeans e uma blusa preta com decote, a jornalista foi assediada 15 vezes por desconhecidos. As agressões foram registradas por um microfone levado por Sávia e pela câmera escondida na mochila de um produtor do site, que caminhava à frente da jornalista.

Ela ouviu expressões como “gostosa”, “abençoada” e frases como “ai, se eu moro com essa deusa, meu Deus”, além de grosserias que foram censuradas na edição do vídeo. Até a manhã da última quinta (27), a gravação havia sido vista mais de 430 mil vezes no YouTube.

“O nordestino é muito machista. Eu já tinha essa impressão cultural, mas queria comprovar na prática. Quando eu andava só, já sofria muito assédio e sempre contava os casos para o meu noivo e para as minhas amigas. Não tinha uma mulher, uma amiga, uma familiar que não tenha passado por isso aqui”, conta a jornalista.

Como resultado do trabalho, Sávia diz ter recebido mensagens de mulheres relatando casos semelhantes, mesmo quando vestiam blusas de manga comprida ou estavam grávidas. “Ser assediada por homens na rua independe da idade, de ser considerada bonita ou não”, diz.

Ela afirma ter recebido, nos últimos três dias, cerca de 300 solicitações de amizade de homens no Facebook e no Instagram. “É incoerente. A proposta do vídeo é refletir sobre o assédio e eu recebo mensagens de homens querendo me conhecer.”

Sávia revelou na reportagem ter sofrido assédio sexual na rua quando tinha 20 anos. Um desconhecido perguntou as horas e, antes de receber a resposta, passou a mão embaixo da saia da jornalista e saiu correndo. Ela diz que frequentemente tem de atravessar a rua e desviar de grupos de homens para não ser incomodada.

“[O assédio] É constrangedor. É um tipo de opinião sobre o seu corpo que você não solicitou e não te interessa. É como se contaminasse o seu dia. Mesmo você sendo uma mulher que se considera forte e decidida, você acaba se achando vulnerável e fraca. Só um olhar invasivo do outro já acaba entrando no seu psicológico e te tornando mais insegura e até fazendo com que você fique com medo de agressão física”, afirma.

Durante a gravação do vídeo, o motorista do site acompanhou a jornalista à distância, pois ela diz ter se sentido insegura na hora das filmagens.

Sávia diz ter ficado com vontade de questionar quem a assediou. “Essa ideia de retrucar é importante quando você está em segurança. Quando você constrange quem te assedia uma vez, talvez ele se sinta inibido de fazer isso novamente, mas acho que segurança da mulher está em primeiro lugar. Eu tenho medo de retrucar e levar um tapa na minha cara. Eu tenho 1,50 m e 48 kg. A mulher é mais frágil.”

Sobre as críticas que recebeu de leitores que lhe disseram que ela não estava contando nenhuma novidade com o vídeo, a jornalista afirma: “A ideia não é contar uma novidade, é refletir sobre uma coisa que acontece todo dia”.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir