Política

Janot não pedirá afastamento de Cunha da presidência da Câmara

Na denúncia que enviará ao STF (Supremo Tribunal Federal) nas próximas horas, a Procuradoria-geral da República não pedirá o afastamento de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara.

A reportagem apurou que os investigadores não descartam requisitar que o peemedebista deixe a cadeira, mas não o farão no texto da denúncia, que será assinada por Rodrigo Janot, procurador-geral da República.

O pedido de afastamento vinha sendo especulado porque Janot já afirmou que Eduardo Cunha usou o cargo em benefício próprio.

Em parecer enviado ao Supremo, na semana passada, o PGR sustentou que Cunha confundiu o público com o privado ao acionar a AGU (Advocacia-geral da União) para tentar anular provas recolhidas dentro da Câmara.

PERMANÊNCIA

Nesta quarta-feira (19), após ser informado sobre a denúncia, Eduardo Cunha descartou a possibilidade de abdicar da presidência da Câmara. “Vou continuar exatamente no exercício para o qual fui eleito pela maioria da Casa”, adiantou o peemedebista.

Deputados -principalmente do PSOL- anunciaram a intenção de entrar com uma representação no Conselho de Ética da Câmara, pedindo a cassação do presidente, caso o STF acolha a denúncia contra ele.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir