Mundo

Islâmicos pedem derrubada de lei de violência contra mulher no Paquistão

Manifestantes pedem que a primeira lei do país contra o abuso sexual e a violência doméstica por considerá-la contrária à religião. - Foto: Divulgação

Manifestantes pedem que a primeira lei do país contra o abuso sexual e a violência doméstica por considerá-la contrária à religião, seja anulada. – Foto: Divulgação

Um grupo de partidos islâmicos e líderes religiosos pediram nesta terça-feira (15) que o governo do Paquistão anule a primeira lei do país contra o abuso sexual e a violência doméstica por considerá-la contrária à religião.

O Código de Proteção às Mulheres foi aprovado no mês passado pela província de Punjab, a mais populosa do país, e prevê proteção legal contra os abusos, a criação de um disque denúncia e monitoramento dos agressores. Os 35 partidos islâmicos, liderados pelo Jamaat-e-Islami, afirmam que a medida foi promulgada para “compactuar com a agenda do Ocidente para destruir o sistema familiar no Paquistão”.

“Este código é redundante e contribuirá para o sofrimento das mulheres”, diz o comunicado divulgado após o encontro. A nova lei foi comemorada por ativistas, mas conservadores fazem pressão para derrubá-la. Na segunda (14), o líder do partido Jamiat-i-Ulema disse que o premiê Nawaz Sharif prometeu considerar a preocupação dos islâmicos.

No início deste mês, o Conselho da Ideologia Islâmica, que assessora o governo para adequar as leis aos princípios do islã, considerou o Código de Proteção das Mulheres uma lei anti-islâmica. Segundo pesquisa de 2011 da Fundação Thomson Reuters, o Paquistão é o terceiro país mais perigoso do mundo para as mulheres, devido ao histórico de violência doméstica, assédio sexual e discriminação econômica.

Dos cinco primeiros da lista, três têm maioria islâmica -Afeganistão, Somália e Paquistão. Os outros dois são Congo e Índia, onde a comoção provocada por um estupro coletivo em 2012 provocou uma reforma nas leis para aumentar a proteção às mulheres.

IRÃ

Nesta terça, outro país de maioria islâmica, o Irã, aprovou uma lei que iguala o valor pago pelas seguradoras a vítimas de acidentes de trânsito. Antes, as mulheres recebiam indenizações menores que os homens.

A lei foi referendada pelo Conselho dos Guardiães. Pela legislação do país, a indenização é determinada pelo conceito de “dinheiro pelo sangue”, que prevê uma compensação pela lesão corporal ou morte de uma pessoa.

O motivo da diferença entre o valor pago a uma mulher e um homem baseia-se no princípio de que o homem é o chefe de família. Antes da mudança, a indenização para uma vítima feminina era a metade do pago a uma masculina.

Por Folha Press

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir