Sem categoria

Irmão de Adail Pinheiro é um dos dez mais procurados pela Interpol no Brasil

A hipótese é que Marcos Pinheiro  tenha saído do Brasil e por isso foi parar na lista da Interpol - foto: reprodução

A hipótese é que Marcos Pinheiro tenha saído do Brasil e por isso foi parar na lista da Interpol – foto: reprodução

Carlos Pinheiro, irmão do ex-prefeito de Coari (a 363 quilômetros de Manaus), Adail Pinheiro, está entre os dez mais procurados pela Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) no Brasil. Ele é condenado por desvios de verbas públicas.

A lista dos dez mais procurados foi divulgada pelo Fantástico, nesse domingo (19). Carlos Pinheiro foi condenado a 40 anos e deveria estar cumprindo pena, mas sumiu sem deixar pistas.  A hipótese é que ele tenha saído do Brasil e por isso foi parar na lista da Interpol.

Carlos Pinheiro teve a prisão decretada durante a operação Vorax, deflagrada em 2008 pela Polícia Federal do Amazonas. Ele é apontado como um dos principais articuladores e beneficiário do esquema criminoso instalado na prefeitura de Coari.

Conforme a reportagem, Carlos criou empresas em nomes de outras pessoas, somente para desviar dinheiro público. Em uma das fraudes, ele desviou mais R$ 3 milhões, que deveriam ser usados no saneamento básico da cidade.

O chefe da Interpol no Brasil, Waldercy Urquiza Júnior, explicou que a lista do dez mais procurados, foi feita após uma análise sobre os crimes, além de outros aspectos.

“O que a gente busca é trazer essas pessoas para que elas paguem pelos crimes que cometeram aqui no Brasil. Fizemos uma análise que levou em consideração o tempo que elas foram condenadas, o tipo de delito, o tempo que falta para a prescrição para que os crimes não fiquem impunes e chegamos nesse resultado: mais de dez procurados”, disse

Waldercy Urquiza explicou ainda que a Interpol está usando um aparelho de conferência biométrica que em 2 segundos mostra os dados da pessoa e descobre se ela é procurada pela polícia. O sistema vai ser usado nos aeroportos do Brasil durante as Olimpíadas no Rio 2016 para tentar flagrar outros foragidos.

O Brasil é o país onde a Interpol mais prende foragidos. Em média, um por semana. Um dos motivos, segundo a polícia, é que os dados de todos os passageiros de voos internacionais são checados.

Por equipe EM TEMPO Online

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir