Esportes

Iranduba encara Tiradentes na estreia do Brasileirão

 Volante Djenik treinando cobranças de falta após o coletivo realizado em Manaus, na segunda-feira- foto: Marcio Melo


Volante Djenik treinando cobranças de falta após o coletivo realizado em Manaus, na segunda-feira- foto: Marcio Melo

Sem muito tempo para definir o esquema tático ideal e melhorar o condicionamento físico das jogadoras, o técnico do Iranduba, Olavo Dantas, aposta na capacidade técnica das atletas para superar o Tiradentes, do Piauí, nesta quinta-feira (21), às 19h (de Manaus), no estádio Alberto Tavares, o Albertão, na estreia do Campeonato Brasileiro Feminino de Futebol.


O adversário do time amazonense foi conhecido “em cima da hora”, já que o Tiradentes substituiu o Náutico-PE, que desistiu da competição. A alteração, segundo Dantas, atrapalhou a preparação do Verdão para o primeiro jogo do torneio.

“Fizemos três mudanças na equipe para este jogo. Tive que montar o nosso time com base no pouco que conhecemos da equipe adversária. Estamos estudando a questão física das atletas, porque tivemos pouco tempo de trabalho”, disse o treinador. “A equipe que vai jogar é mais ou menos a base da que treinou lá em Manaus”, finalizou Olavo.

Dantas disse que havia apenas duas dúvidas sobre quem escalar na zaga e no ataque. Na defesa, ele não decidiu se começa o jogo com a Craque ou com Sorriso. Na frente, a indefinição envolve Mayara. O comandante não decidiu se escala a jogadora no meio de campo no lugar de Nilda, que ficaria no banco de reservas. Caso Mayara seja escolhida para o ataque, quem ficará no banco será Elisa. A provável escalação titular do Iranduba é: Maike, Roberta, Karen, Craque (Sorriso) e Ju; Sâmia, Djenik, Nilda (Mayara) e Mari; Kelen e Elisa (Mayara).

O treinador disse que, apesar de não ter o time nas condições ideais, acredita em bom desempenho contra as piauienses, consideradas adversárias difíceis. “Estamos bem confiantes e sabemos que vamos montar a melhor equipe para enfrentar o Tiradentes. Independentemente do grupo que começar jogando, acredito que as jogadoras darão conta do recado e, se Deus quiser, conseguiremos um bom resultado”, declarou Dantas.

Apesar de nunca ter conseguido ir longe na competição, o Iranduba é uma das equipes mais experientes do Brasileirão feminino, sendo uma das dez que participaram de todas as edições. O Hulk da Amazônia nunca conseguiu passar da primeira fase, e a melhor colocação na competição foi o 14º lugar obtido na edição de estreia, em 2013.

Por Lindivan Vilaça

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir