Economia

IPCA: inflação sobe menos e fecha fevereiro com alta de 0,9%

Com a alta da inflação, consumidores gastam mais com alimentação – foto: Marcelo Camargo/ABr

Com a alta da inflação, consumidores gastam mais com alimentação – foto: Marcelo Camargo/ABr

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou fevereiro com alta de 0,9%, resultado 0,37 ponto percentual abaixo da taxa de janeiro, que atingiu 1,27%. Os dados da inflação oficial do país foram divulgados, hoje (9), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com o resultado, o IPCA passou a acumular alta de 2,18% nos dois primeiros meses do ano, resultado que chega a ser 0,3 ponto percentual inferior aos 2,48% acumulados em igual período de 2015.

Doze meses

Já a alta acumulada nos últimos doze meses ficou em 10,36%, também abaixo dos 10,71% dos doze meses imediatamente anteriores: -0,35 ponto percentual. Em fevereiro de 2015, o IPCA foi de 1,22%.

Considerando os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, a mais elevada variação ficou com o item Educação, que atingiu 5,9%, refletindo os reajustes praticados no início do ano letivo, especialmente nos valores das mensalidades dos cursos regulares, que subiram 7,43%, contribuindo com 0,21 ponto percentual para o IPCA do mês.

Os grupos Educação (5,9% e 0,27 ponto percentual de contribuição) e Alimentação e Bebidas (1,06% e contribuição também de 0,27 pontos), foram responsáveiss por 60% do IPCA do mês – o equivalente a 0,54 ponto percentual.

Peso por grupo

Os dados do IBGE indicam, porém, que, individualmente, os grupos Transporte e Saúde e Cuidados Pessoais vieram logo a seguir entre os que mais contribuíram para a elevação do IPCA em fevereiro, com altas de 0,62% e 0,94% – e ambos com contribuição de 0,11 ponto percentual para a inflação do mês.

Em fevereiro, os preços dos alimentos (1,06%) continuaram subindo, embora com menos força do que em janeiro (2,28%). Além da cenoura, que aumentou em fevereiro 23,79%, também teve alta expressiva a farinha de mandioca (11,4%. Entre os produtos alimentícios em queda, destacam-se o tomate (-12,63%) e a batata-inglesa (-5,70%).

No grupo Transporte, com alta de 0,62%, figuram as tarifas de ônibus urbanos (alta de 2,61%). Nos ônibus intermunicipais, o aumento foi 2,17%. Houve reajuste de 3,83% nas tarifas de trem, reflexo dos reajustes de 12,12% ocorridos no Rio de Janeiro e de 8,57% em São Paulo. Ainda em Transportes, os preços do etanol continuaram subindo (4,22%), enquanto a gasolina ficou em 0,55%.

Energia Elétrica

As contas de energia elétrica caíram 2,16% e levaram o grupo Habitação a fechar com deflação (inflação negativa) de 0,15%. O grupo foi responsável pelo principal impacto negativo no IPCA do mês: -0,09 ponto percentual. Segundo o IBGE, a queda foi decorrência da redução no valor da bandeira tarifária vermelha, que passou de R$ 4,50 para R$ 3,00 a cada 100 kilowatts-hora consumidos, a partir de 1º de fevereiro.

Índices regionais

Quando analisado de forma regional, os dados do IPCA indicam que Salvador apresentou a maior inflação em fevereiro, com alta de 1,41%, ressaltando a elevação de 2,55% nos preços dos alimentos. Já a menor taxa foi na região metropolitana de Vitória (0,28%), onde os alimentos ficaram em 0,36%, bem abaixo da média nacional (1,06%).

Recife fechou fevereiro com o segundo maior IPCA de fevereiro (1,29%) e Belém, com 1,11%. Em Belo Horizonte, a variação foi de 0,99% e em Porto Alegre (0,97%) – todos com IPCA abaixo de 0,9 da média nacional. Em São Paulo, a taxa variou 0,82%, no Rio de Janeiro, 0,68%, e, em Brasília, 0,69%.

Metodologia

Utilizada pelo Banco Central como parâmetro para as metas de inflação fixadas para o país (vão de 2,5% a 6,5%, sendo 4,5% o centro da meta), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é calculado pelo IBGE desde 1980. Ele se refere a famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange dez regiões metropolitanas do país, além de Goiânia, Campo Grande e Brasília.

Para cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados de 29 de janeiro a 29 de fevereiro de 2016, com os período entre 30 de dezembro de 2015 e 28 de janeiro de 2016.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir