Sem categoria

Investigada na operação La Muralla 2, desembargadora Encarnação Salgado é afastada do Tjam pelo STJ

 PF fez buscas na casa da desembargadora Encarnação Salgado, no no bairro Dom Pedro – foto: Ricardo Oliveira

PF fez buscas na casa da desembargadora Encarnação Salgado, no no bairro Dom Pedro – foto: Ricardo Oliveira

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, na manhã desta quarta-feira  (15), afastar  de suas funções no Tribunal de Justiça do Amazonas (Tjam) a desembargadora Encarnação Salgado, investigada na operação La Muralla 2, deflagrada no último dia 9 pela Polícia Federal. Adecisão da corte foi unânime, sendo o afastamento cautelar de seis meses, prorrogáveis por mais seis.

A La Muralla 2 é um desdobramento do trabalho na operação La Muralla 1, que visa aprofundar as investigações relacionadas à existência de um suposto esquema de negociações de decisões judiciais, envolvendo servidores e magistrados do Poder Judiciário do Amazonas, além de advogados, para beneficiar integrantes da facção criminosa Família do Norte (FDN), mais especificamente no tocante à compra de alvarás de soltura para colocar em liberdade traficantes de drogas que se encontravam presos.

Para o Ministério Público Federal (MPF), o afastamento de Encarnação se justifica pela “gravidade dos fatos” e para preservar a confiança no Poder Judiciário. Para o órgão, a desembargadora é suspeita de receber vantagens ilícitas em troca de decisões judiciais.
As informações constam na página oficial do STJ no Twitter.

O relator do inquérito no STJ, ministro Raul Araújo, também destacou a existência de indícios que justificam o afastamento “excepcional” de Encarnação, devido à gravidade dos fatos.

Para ele, houve liberações nos plantões judiciais em situações que, no mínimo, causam “estranheza” e “não deixam dúvida quanto ao afastamento na conjuntura excepcional antes do recebimento da denúncia”.

De acordo com o presidente da Associação de Magistrados do Amazonas (Amazon), juiz Cássio Borges, ninguém está imune a investigações. Ele ressaltou que por ser associada, Encarnação terá o apoio dos advogados da Associação Nacional dos magistrados. “Ninguém está acima da lei. Acreditamos que o Superior Tribunal vai agir da melhor forma”, disse Borges.

A defesa da desembargadora disse que não há elemento de conduta capaz de autorizar o afastamento.

La Muralla

A primeira fase da La Muralla foi deflagrada em 20 de novembro do ano passado para desarticular o tráfico de drogas no Amazonas, sendo a FDN o principal alvo.

À época, foram cumpridos 127 mandados de prisões preventivas e 67 de busca e apreensão nos estados do Amazonas, Ceará, Rio Grande do Norte, Roraima e Rio de Janeiro (RJ); além de países como Peru, Colômbia, Venezuela e Bolívia.

Na segunda fase, deflagrada dia 9 de junho, a ação contou com a participação de mais de 100 Policiais Federais, além de representantes do STJ e da Procuradoria Geral da República (PGR), que se deslocaram para a capital amazonense.

Na data foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão expeditos pelo STJ, que tinham como alvo quatro advogados, a desembargadora Encarnação das Graças Salgado e o juiz da Vara de Execução Penais (VEP) Luis Carlos Valois. As investigações correm em segredo de Justiça.

 

Por equipe EM TEMPO Online

Matéria atualizada às 12h para inserção de informações.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir