Economia

INSS tenta suspender desaposentação

Com o mutirão, INSS pretende reduzir em 25% o total de serviços agendados pelo instituto em Manaus   - foto: Ione Moreno

O Órgão requer a paralisação de mais 180 mil processos até que a Corte decida como será feita a solicitação de nova aposentadoria – foto: Ione Moreno

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pretende suspender todas as ações que tramitam na justiça requerendo a desaposentação até que o STF decida sobre os critérios para solicitar a desistência da aposentadoria antiga por uma nova e mais vantajosa. O processo está paralisado devido a um pedido de vista da ministra Rosa Weber desde 2003. A alegação do Governo é a medida pode provocar um rombo de aproximadamente R$ 200 bi nos próximos 20 anos.


Através do Recurso Extraordinário 661.225, solicitado pelo INSS, foi apresentado ao ministro Luís Roberto Barroso com base no Novo Código de Processo Civil, que determina que o relator de processos no Supremo pode decidir pela suspensão de todas as ações que correm na justiça para julgamento dos recursos extraordinários.

O Órgão requer a paralisação de mais 180 mil processos até que a Corte decida como será feita a solicitação de nova aposentadoria, já que existem casos em que o inativo tem seu benefício aumentado em 80% ou até dobrada a remuneração. Para o advogado do CEPAASP – Centro Paulista de Apoio aos Aposentados e Servidores Públicos, Willi Fernandes, o INSS pode pleitear que as ações sejam suspensas, até mesmo as de 1ª instância, até que o Supremo finalize o julgamento sobre o tema. “Mas isso não impede que os aposentados que continuaram a contribuir após SUA APOSENTADORIA a possibilidade de obter outra aposentadoria mias vantajosa, através do Poder Judiciário. Aconselhamos aos aposentados que procurem uma associação, sindicato ou um advogado de sua confiança para que todas as informa&cc edil;ões sejam esclarecidas”, explica o jurista.

Para o dr. Willi Fernandes, o fato das ações ficarem barradas em primeira instância, não significa que os aposentados não possam lutar por seus direitos. Segundo o advogado, os requerentes deverão aguardar, mesmo antes do julgamento em primeira instância, o final do julgamento do Supremo Tribunal Federal. “Após uma análise positiva, o beneficiário deverá apresentar todos os documentos que forem solicitados para que seja requerido o pedido na via administrativa perante o INSS, para posteriormente ser ingressada a ação competente”, comenta.

Atualmente 480 mil aposentados em todo o país trabalham de carteira assinada e que cerca de 182 mil ações tramitam na justiça sobre o tema. Desde 2003 a ação aguarda análise no plenário do STF, e já em 2014, ficou definido que os valores já recebidos pelos aposentados não precisavam ser devolvidos. Apesar de existir um empate atualmente no julgamento da desaposentação, se os demais ministros seguirem o voto favorável do ministro Barroso, relator do processo, a desaposentação começará a valer em 180 dias, prazo para que o Congresso aprove a lei disciplinar da questão.

“O STJ já tem posicionamento unânime sobre a desaposentação, reconhecendo o direito de buscar-se a troca de aposentadoria por outra mais vantajosa, e sem devolução dos valores já recebidos anteriormente. E esse entendimento tem tido boa receptividade em nosso Judiciário, pois o tema agora tem debates mais abertos por se tratar do direito à segurança social do trabalhador que continuou a contribuir mesmo depois de sua aposentadoria, pois precisou continuar trabalhando para garantir o sustento de sua família”, finaliza Dr. Willi.

Com informações da assessoria

1 Comment

1 Comment

  1. Antonio Jaime

    23 de abril de 2016 at 15:52

    O STF negou o pleito do INSS, por meio do relator Min. Barroso.
    As ações continuarão a ser julgadas nas instâncias inferiores.

    A propósito, os números alarmantes do INSS, exagerados de verdade, não levam em conta que o desaposentado CONTINUA PAGANDO.

    Assim, quanto mais desaposentados houver, mais o INSS fatura. Isso eles não falam nunca!!
    Estão é querendo se apropriar das contribuições extras dos aposentados que continuam a contribuir para cobrir o rombo da irresponsabilidade e da farra de gastos dos três poderes, do executivo (desperdício e cargo demais), do legislativo, verbas de gabinete, negócios escusos e comissão sobre as emendas ao orçamento, para cada deputado!, desperdício e muiitas mordomias e judiciário (mordomias demais também).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir