Sem categoria

Índice de mortes violentas no Amazonas cresce 4,1%, revela pesquisa

O índice de mortes por violência  no Amazonas teve um aumento de 4,1%, na comparação entre 2013 e 2014, conforme o 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública,  divulgado nesta quinta-feira (8). De acordo com a pesquisa o Estado  ficou em 17° lugar no ranking. A pesquisa contabiliza casos de homicídio doloso, latrocínio (assalto seguido de morte), lesão corporal seguida de morte e vitimização policial.

Enquanto em 2013 foram registrados 907 homicídios, em 2014, o total de 923 assassinatos foram verificados. Os latrocínios também tiveram um aumento. Os 36 casos registrados em 2013 saltaram para 45 registros no ano passado. Os casos envolvendo policiais subiram consideravelmente. Enquanto em 2013 apenas duas pessoas foram assassinadas em meio a intervenção policial, no ano seguinte foram contabilizadas 11 ocorrências.

A pesquisa também revelou que em 2013 apenas seis policiais morreram em serviço, contra 25 assassinados no ano passado. Já os casos de policiais mortos fora de serviço se limitaram a apenas um caso em 2013, contra quatro registros no ano seguinte.

A única redução foi verificada nos registros de lesão seguida de morte. Enquanto em 2013, os registros dão conta de apenas 33 ocorrências, em 2014 foram registrados apenas 18 casos.

Segundo a publicação, em 2014, o Brasil registrou 160 mortes violentas intencionais por dia. Juntos os registros de homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte somaram 58.559 casos em 2014. O número é 4,8% maior do que as 55.878 vítimas registradas em 2013. Com o aumento, a taxa de mortes violentas no país passou de 27,8 por 100 mil habitantes para 28,9 para cada grupo de 100 mil pessoas em 2014.

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública fez o levantamento com base em informações disponibilizadas pelas secretarias de Segurança Pública e Defesa Social em suas páginas oficiais, além de dados obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

Por equipe EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir