Dia a dia

Incêndio destrói galpão de cooperativa no Centro de Manaus

 

 

Uma construção histórica do Centro de Manaus, localizada na rua da Instalação, – onde atualmente funciona um galpão da cooperativa Aliança – foi parcialmente destruída, na noite desta terça-feira (15), durante um incêndio.

De acordo com a assessoria do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (Cbmam), as causas do incêndio ainda são desconhecidas. Porém, para a diretora executiva da cooperativa, Alcinei Cunha, o fogo teve início após a descarga de um caminhão da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) encostar nos papelões.

Cerca de 20 catadores trabalham no galpão – Fotos: Márcio Melo

Leia também: Bombeiros combatem fogo em casa no Presidente Vargas; incêndio pode ser criminoso

“Não é a primeira vez que isso acontece. Nós temos um convênio com a Prefeitura de Manaus e a Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) fica encarregada de ajudar no transporte dos materiais recicláveis, que são coletados no Centro. Eles são trazidos para esse depósito. A descarga encostou no papelão, alguns catadores chegaram a avisar o funcionário, mas ele disse que podia pegar fogo e que não se importava”, denunciou Alcinei Cunha.

O Cbmam mobilizou 4 viaturas com autonomia de 25 mil litros de água. Para a equipe, o incêndio foi de média proporção, porém houve perda total. O tempo de resposta para os bombeiros chegarem no local foi de 6 minutos após o acionamento, que ocorreu às 18h46.

Para a diretora executiva da Cooperativa, o prejuízo foi de mais de R$ 75 mil apenas em máquinas. “Duas máquinas modelo prensa, que utilizamos para ajeitar todos os materiais coletados, foram totalmente destruídas. Há quatro anos atrás, quando foram compradas, custou cerca de 35 mil cada uma”, contou.

Ainda segundo Alcinei, 20 catadores trabalham atualmente no local e por semana são coletados cerca de 35 toneladas apenas de papelão.

Semanalmente são coletados cerca de 35 toneladas apenas de papelão 

Semulsp

Questionado sobre a denúncia envolvendo o funcionário e o veículo da Semulsp, o titular do órgão municipal, Paulo Farias, criticou o posicionamento da diretora executiva. “Esse tipo de comportamento não ajuda em nada. É cedo para apontar culpados. Os bombeiros e a perícia da Polícia Civil vão emitir um laudo em que as possíveis causas do incêndio serão apontadas. Por enquanto, só nos resta esperar essas informações oficiais”, destacou Farias.

Isac Sharlon
EM TEMPO

Leia mais:

Incêndio atinge antigo prédio de cervejaria Miranda Corrêa no bairro de Aparecida

Bombeiros combatem incêndio em terreno baldio na Compensa

Amazonas registra mais de 300 incêndios no primeiro semestre de 2017

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir