Economia

Inadimplência pode prejudicar crescimento da economia em 2016, avalia lojista

inadimplencia

O presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Honório Pinheiro, informou nesta terça-feira (14) que os altos índices de inadimplência podem atrapalhar a retomada do crescimento da economia em 2016. “Uma única variável sempre tem efeitos sobre as demais. Com a inadimplência não é diferente”, explicou.

A CNDL e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) apresentaram hoje os indicadores de inadimplência do consumidor. No acumulado do primeiro semestre deste ano, o número de devedores cresceu 4,6% em relação ao primeiro semestre de 2014. Os dados do balanço indicam que esse é o pior resultado semestral dos últimos três anos. No primeiro semestre do ano passado, a inadimplência chegou a 3,53%. Em 2013, alcançou 2,83%.

A quantidade de dívidas cresceu mais nos setores de água e luz (11,83%) e de bancos (11,26%) O setor de comunicações apresentou queda de 3,58% no primeiro semestre deste

Economista chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti avaliou como importante a aceleração das dívidas em atraso. “É um número ruim, mas enseja ajustes da população. Algumas mudanças de atitudes podem melhorar o cenário”, explicou. Segundo ela, como as famílias têm dificuldade para pagamento das contas básicas e das dívidas financeiras, acabam optando por uma.

Para o SPC Brasil, em junho deste ano 56,5 milhões de consumidores constavam de cadastros de devedores inadimplentes. Na comparação com 2014, a quantidade de consumidores com contas a pagar em junho aumentou 4,52%.

Na comparação anual, analisando os dados por faixa etária, a CNDL registrou queda de 8,75% entre endividados de 18 a 24 anos. Na comparação a junho de 2014, os devedores da faixa etária de 50 a 64 anos aumentaram 7,67% em junho deste ano. No mesmo período comparado, os aumentos alcançaram 8,31% na faixa de 65 a 84 anos e 9,07% para devedores entre 85 e 94 anos.

Para Marcela Kawauti, os jovens têm mostrado um recuo no endividamento em relação aos mais idosos. “Isso tem a ver com a forma de comportamento das gerações. Como os jovens estão demorando para ter responsabilidades de adultos, eles acabam adiando planos ligados a financiamentos.”

De acordo com o presidente da CNDL, é preocupante o aumento de 30% para 35% do limite do desconto do crédito consignado em folha de pagamento. Segundo ele, o aumento pode contribuir com as vendas, mas deve agravar a inadimplência na população de faixas etárias maiores “Diante do cenário de inflação e inadimplência, [o aumento da taxa de desconto] nos faz crer que não é algo que contribuirá para a economia. A venda precisa ser saudável e o consignado é uma experiência questionável. São essa pessoa [de maior idade] que têm comprometido rendimentos com consignados”, afirmou Honório Pinheiro.  Os dados de venda do varejo divulgados hoje pelo IBGE também não são animadores para a CNDL. “Eles mostram uma tendência de queda do volume de vendas no varejo restrito e ainda mais no ampliado”, acrescentou Honório.

“Não temos esperança de que as vendas do segundo semestre sejam melhores que as do segundo semestre de 2014. A esperança seria o ano terminar logo. Certamente estaríamos melhor posicionados”, concluiu.

Por agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir