Dia a dia

Homem que feriu bebê em Jutaí ainda sem previsão de transferência; familiares do suspeito contestam versão

Até o momento a transferência do preso para um hospital de Manaus não foi autorizado pela Justiça de Jutaí - foto: divulgação

Até o momento a transferência do preso para um hospital de Manaus não foi autorizado pela Justiça de Jutaí – foto: divulgação

Ilzimar Cavalcante do Nascimento, 25, conhecido como ‘Luiz’, segue internado no hospital de Jutaí (a 632 quilômetros de Manaus) e sem previsão de transferência para um hospital de custodia da capital. Ele é suspeito de ter atingido com um golpe de terçado o sobrinho de apenas 10 meses. O fato ocorreu no dia 7 deste mês em uma área de garimpo do município.

De acordo com o delegado Genilson Arruda, titular do 56º Delegacia Interativa de Polícia de Jutaí (DIP) de Jutaí, até o momento a transferência do preso para um hospital de Manaus não foi autorizado pela Justiça do município.

“Estou agilizando sua transferência para o hospital de custodia em Manaus, já que a preventiva dele já foi decretada e cumprida. Estou esperando a autorização do juiz. Não tenho estrutura médica na delegacia e nem policiais suficientes para vigiá-lo no hospital aqui no município”, disse Genilson Arruda.

Já Raiterson, que atingiu Ilzimar, também com golpes de terçado, supostamente para tentar defender a mãe do bebê, ainda não foi localizado. Devido aos fatos ainda não estarem totalmente esclarecidos, ele ainda não teve a prisão preventiva solicitada.

“A família informou que Raiterson estaria vindo para a sede do município para se apresentar na delegacia, mas até o momento, não compareceu. Estou esperando, além deles, estariam vindo outras testemunhas do caso”, disse o delegado Genilson Arruda, titular do 56º Delegacia Interativa de Polícia de Jutaí (DIP).

Família
Familiares de Ilzimar Cavalcante contestam a versão da polícia e dizem que não é possível saber quem atingiu o bebê, pois como Ilzimar e Rairterson estava brigando, ambos estavam armados com terçados.

De acordo com a tia de Ilzimar, Euda Eloi, 39, ninguém viu ao certo o que aconteceu e não há como afirmar com certeza quem realmente feriu a criança. “Talvez não tenha sido ele. Se realmente for provado que ele é culpado, que ele responda por isso, mas antes, quero que ouçam o lado do meu sobrinho também”, afirmou.

O irmão de Ilzimar, Juarez Eloi do Nascimento, 34, afirmou que a mulher do irmão, uma mulher identificada como Francisca, grávida de oito meses, estava no segundo andar do flutuante, onde ocorreu a discussão e, ao descer, viu o marido sendo golpeado, e ficou desesperada por não poder fazer nada devido a sua gestação.

Depois do acontecido, Ilzimar sumiu e todos achavam que ele tinha morrido, até ouvirem um barulho na beira da embarcação. “A distância do local onde estavam para a cidade é muito grande. Meu irmão passou quatro dias sem atendimento médico, tiveram que estancar o sangue com pó de café, mas agora já está no hospital”, explicou.

O bebê segue internado no Pronto Socorro da Criança o ‘Joãozinho’, na Zona Leste de Manaus, com quadro clínico estável, se alimentando com leite materno e sendo acompanhada pela equipe de neurocirurgia e pediatria da unidade, segundo informou a Secretaria de Estado de Saúde (Susam).

Por equipe EM TEMPO Online

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir