Dia a dia

Homem é condenado a 13 anos de prisão por matar menina em acidente de jet ski

O resultado do julgamento foi considerado satisfatório pelo titular da 15ª Promotoria de Justiça que atua junto ao 1º Tribunal Júri Popular, Lauro Tavares - foto: divulgação/TJAM

O resultado do julgamento foi considerado satisfatório pelo titular da 15ª Promotoria de Justiça que atua junto ao 1º Tribunal Júri Popular, Lauro Tavares – foto: divulgação/TJAM

A Justiça do Amazonas acatou a tese do Ministério Público do Amazonas (MP-AM) e condenou Lincoln Movilha de Andrade, na quinta-feira (28),  a 13 anos de prisão pela morte da menina Renata de Menezes Soares, ocorrida em 1995, nas proximidades da Praia Dourada Marinho, em Manaus.

Na ocasião, Lincoln, que sequer tinha habilitação, fazia acrobacias consideradas arriscadas, por testemunhas, em um jet sky. Ele atingiu um barco inflável de brinquedo com mais três crianças e uma mulher. O resultado do julgamento, que se estendeu por mais de seis horas, foi considerado satisfatório pelo titular da 15ª Promotoria de Justiça que atua junto ao 1º Tribunal Júri Popular, Lauro Tavares.

Esta condenação tem caráter pedagógico, ensina as pessoas que pilotam com imprudência, sem habilitação, ou que fazem uso de álcool e drogas, que eles também podem ser atingidos pela Justiça, disse o Promotor de Justiça.

O crime aconteceu no dia 30 de julho de 1995, por volta das 14h. No barco inflável, tipo banana boat, estavam, além de Renata, Sílvia Castro da Silva, de 29 anos, e as então crianças Fernanda de Menezes Soares (irmã de Renata), de 11 anos, Rodrigo Jahn Soares, de 7 anos, Camila Jah Soares, com 9 anos. Todos saíram gravemente feridos do acidente. Fernanda sofreu sete fraturas no rosto e traz sequelas até hoje. Renata sofreu traumatismo craniano grave e não resistiu aos ferimentos.

Quatro dias após o crime, em 3 de agosto de 1995, sem prisão decretada, Lincoln viajou para fora do Estado. Tendo informado endereço residencial e profissional falsos, não pode ser localizado pelo Judiciário. Ele ficou foragido de 1995 a 2011, quando o processo do caso voltou a andar. Ele só foi localizado quando uma das vítimas, Fernanda, pesquisando pelo sobrenome dele, o localizou no site de relacionamento Facebook. Ele estava morando em Macapá, onde foi preso, relatou o Promotor.

Com informações da assessoria de comunicação

 

1 Comment

1 Comment

  1. Camila Jahn Soares

    2 de junho de 2015 at 08:00

    Não que isso realmente importe, mas vocês trocaram o meu nome com o da minha prima Fernanda. Fui eu quem sofreu os ferimentos na face e quem o localizou através da rede social. Sofremos todos ferimentos graves sim. A condenação não muda o que aconteceu, mas pelo menos ficamos com a sensação de ter feito o que estava ao alcance. Minha gratidão aos envolvidos no processo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir