Mundo

Hillary falhou em proteger americanos em Benghazi, diz relatório da Câmara

O veredicto é ruim para Hillary Clinton - foto: divulgação

O veredicto é ruim para Hillary Clinton – foto: divulgação

Após 26 meses de trabalho, e a 132 dias da eleição, um comitê na Câmara americana divulgou nesta terça (28) seu relatório final sobre os ataques que mataram quatro americanos em Benghazi (Líbia), em 11 de setembro de 2012, entre eles o embaixador Christopher Stevens.

O veredicto é ruim para Hillary Clinton, a virtual candidata democrata à Casa Branca, à época responsável pela diplomacia dos EUA no governo Barack Obama.

Controlado por deputados republicanos, o comitê concluiu que o Departamento de Estado, então sob chefia de Hillary, falhou em proteger os conterrâneos.

O documento elenca “novas revelações” sobre o caso, após uma bateria de entrevistas com mais de cem oficiais do governo.

Apesar de ordens do presidente Obama e do secretário de Defesa no momento, Leon Panetta, nenhum ativo militar estava a caminho de Benghazi “quando os dois últimos americanos foram mortos, quase oito horas após o início dos ataques”.

Enquanto o embaixador Stevens já havia desaparecido, a Casa Branca convocou uma reunião que durou cerca de duas horas, diz o texto. Nela, oficiais teriam pautado suas ações a partir de um vídeo no YouTube mostrando uma turba inflamada, como se as mortes fossem decorrência de uma revolta popular (o que se provou incorreto).

Um oficial de alta patente, “que tipicamente teria participado do encontro”, não o fez “porque foi para casa para ser anfitrião num jantar para autoridades estrangeiras”.

Partidarismo

O comitê foi liderado pelo deputado Trey Gowdy, um republicano da Carolina do Sul.

Em comunicado, ele fez um apelo para que “o povo americano” tirasse suas próprias conclusões sobre o relatório de 800 páginas, que poderia seria lido “num tempo menor do que nossos cidadãos [aguentaram] sob fogo, lutando por suas vidas em telhados e ruas de Benghazi”.

Os democratas acusam seus rivais partidários de usar o caso contra Hillary, que em outubro de 2015, já em campanha para se tornar a candidata de sua legenda, depôs no Congresso.

Seu provável adversário republicano em novembro, Donald Trump, já explorou o episódio várias vezes para atacá-la.

Na semana passada, lançou o site LyingCrookedHillary (Hillary trapaceira e mentirosa), em que a acusa de ter mentido para as famílias das vítimas americanas quando já estava ciente de que o episódio foi um atentado terrorista.

“Ela ficou na frente dos caixões cobertos com a bandeira de quatro americanos que morreram servindo seu país e vendeu a mentira de que a culpa era do vídeo [no YouTube, com motim popular]”, diz texto de sua campanha.

Trump também repete em discursos que a então chanceler americana dormia, “e assim permaneceu”, quando telefonaram às 3h para avisar do ataque letal na Líbia, deixando o embaixador “indefeso para morrer”.

Tom moderado

O comitê parlamentar, contudo, ficou um tom político abaixo.

Apesar de criticar a falta de preparo e a demora do governo em reagir, não contesta, por exemplo, o fato de que forças americanas na Europa não teriam tempo hábil para alcançar a Líbia e resgatar os americanos. Isso era uma peça central em argumentações prévias.

Segundo a minoria democrata do comitê, testemunhas afirmaram que o foco da reunião na Casa Branca -que reuniu do Pentágono à CIA, em teleconferência&- foi garantir a segurança dos americanos em Benghazi.

O almirante Kurt Tidd, um dos participantes, disse ao Congresso que eles saíram daquela reunião com a seguinte conclusão: “Mandem todas [as forças disponíveis]”. Elas, contudo, “nunca saíram do chão”, segundo o painel.

A gestão Obama é acusada de dificultar a investigação, retendo testemunhas e evidências.

Ataque

Deputados mais à direita na Casa, insatisfeitos com o relatório final, escreveram um adendo de 48 páginas em que elevaram o tom crítico à atual Presidência.

O documento lembra que a corrida presidencial de 2012, na qual Obama conquistou seu segundo mandato, aconteceria 56 dias depois daquele 11 de setembro.

Hillary já sabia que as mortes em Benghazi foram um ataque terrorista, e mesmo assim dissimulou, segundo os republicanos Jim Jordan (Ohio) e Mark Pompeo (Kansas).

“Em vez de contar a verdade para o povo americano e aumentar a chance de perder a eleição, a administração contou uma história em privado e, publicamente, outra diferente.”

Por Folhapress

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir