Sem categoria

Greve da Receita Federal afeta a produção do PIM

Fábricas do polo de duas rodas  no PIM são afetadas pela greve na Receita Federal - foto: Diego Janatã

Fábricas do polo de duas rodas no PIM são afetadas pela greve na Receita Federal – foto: Diego Janatã

A greve dos auditores da Receita Federal batizada de ‘Operação Tartaruga’ já afeta as linhas de produção das indústrias de vários segmentos, entre eles o metalomecânico, e em especial, o polo de duas rodas. A paralisação pode causar demissões em massa no Polo Industrial de Manaus (PIM), segundo entidades que representam a indústria local.

Segundo o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) e presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Metal Elétrico de Manaus, Athaydes Mariano Félix, a “greve branca” – termo usado pelas empresas instaladas na Zona Franca de Manaus (ZFM) – provoca redução no quantitativo de linhas de produção, em particular, no terceiro turno, pela demora na liberação dos insumos e componentes (matérias-primas) para atender os processos de fabricação.

“Essa diminuição para liberar os insumos prejudica as operações de fabricação das indústrias. Algumas empresas já realizaram o encerramento de atividade no terceiro turno. Esperamos que as alternativas possam resolver o impacto negativo no momento difícil da economia do país”, disse.

O dirigente enfatizou que antes as empresas operavam pelo canal verde, uma forma de desembaraço aduaneiro mais rápido e sem burocracia, porém, a forma atual no canal vermelho está em ritmo lento, prejudicando a produção fabril nos processos.

“Caso a greve seja concretizada pelos servidores da Receita Federal, o prejuízo será maior e a demissões em algumas empresas do segmento seriam inevitáveis nesse momento de crise que enfrentamos. O polo de duas rodas, por exemplo, está em queda com as vendas pelo corte do crédito”, alertou Athaydes Mariano Félix.

Impacto

Para o presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco, o momento difícil e a paralisação impactam nas linhas de produção das indústrias do país e, principalmente, nas empresas do Estado.
“Algumas empresas buscam alternativas como banco de horas, férias coletivas e férias remuneradas para evitar demissões. Essa alternativa adotada é uma forma de negociar com os trabalhadores pela falta de insumos nas linhas de produção”, esclareceu Périco.

Por Josemar Antunes

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir