País

Greve completa 4 dias com 47% das agências paradas, dizem bancários

A greve dos bancários chegou ao quarto dia nesta sexta-feira (9) com 10.818 agências e centros administrativos paralisados, segundo a confederação nacional dos bancários.

No país são 23.110 agências em atividade, de acordo com o BC (Banco Central). A federação dos bancos não divulga números.

Em São Paulo, o sindicato informa que 52 mil decidiram cruzar os braços de um total de 142 mil funcionários na capital, Osasco e região. São 23 centros administrativos e 677 agências afetadas pela greve, segundo a entidade.

Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo (CUT), diz que a adesão ao movimento aumenta a cada dia na região por causa da proposta “insuficiente” feita pelos bancos.

A paralisação deve continuar na próxima semana, após o feriado da próxima segunda-feira (12). Na terça, os bancários fazem assembleia às 17h em São Paulo para avaliar os rumos do movimento.

“Estamos percorrendo os locais paralisados e estamos ouvindo a indignação dos bancários. Eles afirmam que foi uma proposta desleal e desmotivadora [dos bancos]”, diz Roberto Von der Osten, presidente da Contraf-CUT.

A greve é por tempo indeterminado e atinge locais de trabalho em todos os Estados e no Distrito Federal.

Procurada, a federação dos bancos não comenta a paralisação nem seus efeitos.

Os bancários têm data-base em 1º de setembro e pedem reajuste salarial de 16% -percentual que corresponde à reposição da inflação mais 5,7% de aumento real.

A categoria pede ainda PLR (Participação nos Lucros e Resultados) no valor de três salários mais R$ 7.196,84 de parcela fixa adicional e 14º salário. Em relação ao piso salarial, defende a adoção do salário mínimo calculado pelo Dieese, de R$ 3.299,66, segundo valores de junho.

Os bancos fizeram proposta de 5,5% de reajuste com R$ 2.500 de abono fixo -mas foi rejeitada pelos funcionários.

Perda Pelos cálculos do Sindicato dos Bancários, a “perda real de 4%” significa que um bancário que recebe o salário médio da categoria iria perder no ano R$ 1.983 em relação a uma proposta que apenas cobrisse a inflação. A presidente do sindicato, que é uma das coordenadoras do comando nacional da categoria, tem afirmado que esse foi o pior índice oferecido pelos bancos desde 2004.

São mais de 500 mil bancários no Brasil. Eles receberam aumento real de 20,07% no período entre 2004 e 2014. No ano passado, foram 2,02% acima da inflação.

Bancos Em nota divulgada na ocasião da última rodada de negociação com o comando nacional, a Fenaban (Federação Nacional de Bancos) informou a proposta visava compensar “perdas decorrentes da inflação passada, sem contaminar os índices futuros, o que iria contra os esforços do governo para reequilibrar os fundamentos macroeconômicos”.

Destacou ainda que a proposta mantinha o poder de compra médio da categoria nos últimos doze meses e que, desde 2004, houve um processo de aumento real dos salários dos bancários sem interrupção.

“O reajuste de 5,5% está em linha com a expectativa de inflação para os próximos 12 meses. Índices acima das expectativas de inflação podem contribuir para maior dificuldade na queda dos índices inflacionários”, informava a nota divulgada na ocasião.

Além do reajuste salarial, os bancários receberiam participação de 5% a 15% dos lucros dos bancos.

Pelos cálculos da federação dos bancos, essa fórmula de distribuição do lucro, aplicada, por exemplo, ao salário de um caixa bancário, de R$ 2.560,00, garantiria o equivalente a até quatro salários.

Sobre o abono de R$ 2,5 mil, a Fenaban informou que seria distribuído igualmente para toda a categoria dos bancários sem ser incorporado aos salários.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir