Política

Governistas exibem lista de deputados que seriam contra impeachment

O documento tem o nome de 186 deputados e 32 senadores - foto: divulgação

O documento tem o nome de 186 deputados e 32 senadores – foto: divulgação

Deputados aliados da presidente Dilma Rousseff protocolaram nesta quinta-feira (14) na Câmara dos Deputados o pedido de criação de uma “frente parlamentar mista em defesa da democracia”. O documento tem o nome de 186 deputados e 32 senadores.

Apesar de ter sido divulgado como um indicativo de que o governo tem votos para barrar o impeachment (Dilma precisa de ao menos 172 votos, ausências ou abstenções), a lista traz o nome de alguns deputados dos oposicionistas DEM e PSDB, além de outros parlamentares que já declararam cristalino apoio ao impeachment, como Leonardo Quintão (PMDB-MG).

As assinaturas para a frente começaram a ser colhidas há cerca de três semanas. O texto fala, em sua justificativa, que a legitimidade do voto tem sido posta em xeque e que o Congresso tem o dever de zelar pela democracia.

A deputada Luciana Santos (PC do B-PE) afirma que há deputados favoráveis ao impeachment que não assinaram o documento.

“Ninguém vai ter número fechado agora, o que podemos garantir é que eles não terão os dois terços [342 votos] necessários [para o impeachment]. Falam em efeito manada, mas aqui não tem boi, não tem gado, isso é uma bobagem. Mesmo os partidos que anunciaram desembarque têm uma dissidência enorme”, disse Jandira Feghali (PC do B-RJ).

Articulação de lula

Articulada diretamente pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva do quarto do hotel em que montou um QG anti-impeachment, em Brasília, o lançamento da frente em defesa da democracia tem o objetivo de comprometer deputados com o voto contrário ao impeachment no domingo (17).

Apesar disso, o ex-presidente admitiu com aliados que estiveram com ele que a atual situação do governo é difícil, principalmente pelo efeito manada gerado pelos recentes desembarques de partidos como PP e PSD. Tanto ele como o Palácio do Planalto entendem que, se houver vitória, será por uma margem apertada.

Segundo a Folha apurou, Lula disse a deputados do PT e do PC do B, envolvidos pessoalmente na construção do que chamam de frente pela democracia, que era necessário mais de 172 assinaturas para publicar o documento.

Caso contrário, era melhor deixar a ideia de lado. Isso porque 172 é o número de votos (ou abstenções) que o governo precisa ter no plenário da Câmara dos Deputados no domingo para barrar o impeachment de Dilma Rousseff.

Lula e os aliados acreditam que, dessa forma, os parlamentares se comprometem com o voto em favor ao governo, mas o ex-presidente ainda tem se mostrado preocupado com o placar apertado e diz que é necessário “trabalhar até o último minuto de domingo”, principalmente entre os deputados indecisos.

Os deputados do PCdoB têm se reunido frequentemente com Lula. A própria Luciana Santos esteve no hotel na quarta-feira. Nesta quinta, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) já conversou com Lula pela manhã.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir