Política

José Melo se reúne com secretários e anuncia novos cortes neste sábado

O  governador José Melo (Pros) anunciará, ainda  na manhã deste sábado (4),  uma segunda reforma administrativa no Executivo estadual. Ele se reunirá com o secretariado para tratar sobre os novos ajustes, por volta de 10h30, na sede do governo do Estado,  no bairro Compensa, Zona Oeste de Manaus.

A primeira, realizada em março deste ano, reduziu e uniu secretarias, além de ter cortado cerca de 800 cargos comissionados.

Devido à crise econômica, Melo afirmou que “o governo terá que cortar novamente na carne” com a intenção de economizar R$ 600 milhões. A declaração foi dada ontem pela manhã quando visitava a obra da avenida das Flores, no km 18 da AM-010 (Manaus-Rio Preto da Eva).

“Vamos ter que fazer cortes em todas as secretarias. Não tem secretaria que vai ficar livre disso, ressalvada a de Educação, que temos que investir os 25% que a lei determina. A educação tem uma coisa boa que no ano passado conseguimos recursos de empréstimos, os quais somam hoje R$ 257 milhões. Então as obras da educação vão andar, não pela fonte de recursos do Estado, mas pela fonte externa de um contrato que fizemos ano passado. Este ano vamos ter dificuldades com as chamadas fontes próprias do Estado, porque caiu a arrecadação. Mas, felizmente, temos recursos de empréstimos em caixa, que vão permitir que essas obras todas aconteçam”, explicou Melo.

Crise econômica

O governador disse que quando realizou a primeira reforma administrativa, pensou em alguns parâmetros envolvendo a crise econômica do país, mas que após os seis primeiros meses foi possível perceber que a crise é bem maior do que havia previsto primeiramente.

“Nós fizemos uma reforma no começo do ano com os parâmetros que tínhamos. Ao longo dos primeiros seis meses, vimos que o impacto da crise foi muito maior do que tínhamos previsto. Agravou mais ainda com a greve da Suframa. Nós esperávamos que no mês passado a nossa receita já se equilibrasse. No entanto, tivemos uma queda de 8% porque, com a greve, centenas de contêineres estão entulhados. São mais de 198 mil notas ficais para serem liberadas, isso representa um impacto muito forte na nossa economia, e é meu dever como governador permitir que os serviços permaneçam e não quebrar o Estado. Para isso, eu vou ter que cortar ainda mais na carne. Não tomar essas medidas no tempo certo levará a um prejuízo lá na frente”, ressaltou Melo.

Com a nova medida, o governo pretende economizar cerca de R$ 600 milhões, para isso, cargos comissionados de todas as secretarias serão cortados e haverá ajustes onde o governo achar conveniente. “Vamos ter que fazer cortes em todas as secretarias, mas ajustar na medida que o ajuste permita que os serviços de saúde, educação, segurança e social permaneçam da forma que está acontecendo”, declarou o chefe do Executivo estadual.

Por Moara Cabral EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir