Tecnologia

Google mostrará sites em versão ‘light’ para usuários de Android no Brasil

O Google passa nesta quinta-feira (11) a exibir páginas da web em versão reduzida, com imagens em qualidade mais baixa e sem alguns elementos complexos, para donos de celular com seu sistema operacional Android, a fim de acelerar a navegação.

O usuário pode solicitar não ver os sites na versão comprimida. A função estará disponível no Chrome e no navegador padrão do sistema, além de no aplicativo de busca (chamado simplesmente Google), só quando é detectada uma conexão considerada lenta.

A empresa diz que a mudança faz com que o tempo de carregamento fique quatro vezes menor e reduz em média 80% na quantidade de dados necessários para abrir uma página.

Segundo Hiroto Tokusei, gerente de produto e um dos responsáveis pela implementação, o conteúdo das páginas não é comprometido. “Tentamos ‘otimizar’ a página removendo coisas menos importantes, o que inclui código JavaScript [para elementos interativos, por exemplo], CSS [estilização] e reduzindo a qualidade de imagens até um certo nível”, diz.

Tokusei afirma que, na Indonésia, único país onde capacidade já foi introduzida, o número de visitas dos sites que tiveram seu “peso” reduzido aumentou cerca de 50%.

Ele diz que essa é uma das frentes em que o Google atua para expandir o acesso à internet -o que potencialmente aumenta o faturamento da empresa.

Recentemente, a empresa anunciou que sites que tem uma versão preparada para a exibição em telas pequenas ganhariam destaque nas páginas de resultados de buscas feitas no celular.

Uma das pesquisas mais abrangentes acerca de gastos em publicidade no mundo, o relatório do instituto Pew publicado em abril último aponta que, no ano passado, o Facebook liderou o gasto em anúncios nos dispositivos móveis – a frente que mais tem crescido.

O estudo mostra que o Google ficou estagnado entre 2013 e 2014 no segmento, com fatia de 12% no setor, um contraste com o crescimento de 27,5% no mesmo período do Facebook, que aumentou sua participação de 29% para 37%.

A novidade chega nesta quinta também aos usuários indianos.

“As conexões são diferentes no Brasil, na Índia e na Indonésia, mas sabemos que conexões lentas continuarão a existir em todo lugar para sempre”, diz Tokusei.

A empresa afirma que sites difíceis de serem compactados por meio de sua tecnologia, caso de portais de vídeo e páginas que exigem os chamados cookies para seu correto funcionamento não são alterados.

Segundo a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) mais recente, divulgada em abril pelo IBGE, o acesso pelo celular no Brasil está aumentando, com capilaridade de 53,6% ante 88,4% do computador nas residências brasileiras.

Em alguns Estados (Amapá, Amazonas, Pará, Roraima e Sergipe), a representatividade do internauta no celular é superior à do usando PCs.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir