Economia

Gás Natural Veicular é 40% mais vantajoso do que etanol e gasolina, revela pesquisa Abegás

Atualmente, no Amazonas, mais de 1,7 mil taxistas abastecem os seus veículos como o GNV, cujo metro cúbico na bomba custa R$ 2,85 – foto: Arquivo EM TEMPO

Atualmente, no Amazonas, mais de 1,7 mil taxistas abastecem os seus veículos como o GNV, cujo metro cúbico na bomba custa R$ 2,85 – foto: Arquivo EM TEMPO

No Amazonas, o custo do quilômetro rodado com gás natural veicular (GNV) é o menor entre os combustíveis. Mesmo com dois aumentos sucessivos no preço – um em dezembro de 2015 e outro em janeiro deste ano -, o quilômetro com GNV custa R$ 0,22 no Estado, revela pesquisa da Associação Brasileira das Empresas Distribuidora de Gás Canalizado (Abegás) a partir de dados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em fevereiro. Com a gasolina, a proporção sai por R$ 0,45 e, com etanol, a R$ 0,36.

A economia com GNV beneficia 1.768 taxistas que abastecem o carro com esse combustível, apesar do metro cúbico ter ficado 21,7% mais caro. No mês de dezembro de 2015, o metro cúbico custava, em média, R$ 2,34 na bomba. Com o primeiro aumento, o preço passou para R$ 2,65. O segundo reajuste acrescentou mais R$ 0,20 e o valor chegou a R$ 2,85, em janeiro deste ano. No Amazonas, a menor vantagem apresentada pelo GNV frente aos demais combustíveis é de 40%.

“O estudo da Abegás mostra mais uma vez que a economia proporcionada pelo Gás Natural Veicular é igual ou superior a 50% em comparação com o etanol em 16 Estados brasileiros e, frente à gasolina, em seis. O Brasil precisa incentivar mais o GNV. Além de mais econômico, o energético é um forte indutor de políticas ambientais, reduzindo o volume de emissões de CO2 nas cidades”, disse o presidente da Abegás, Augusto Salomon.

O estudo utiliza como veículo de referência o Fiat Siena, que já traz em seu manual uma estimativa de consumo médio com os três combustíveis. Com ele é possível percorrer 13,2 quilômetros com um metro cúbico de GNV, 10,7 km com gasolina e 7,5 com etanol. A base para o cálculo de economia mensal também se baseia em veículos que rodam cerca de 2.500 quilômetros por mês. A análise aponta ainda que mesmo em outros estados o valor que o consumidor economiza ainda é bastante expressivo.

O Rio de Janeiro registrou o maior grau de economia frente ao etanol, chegando a 64%, índice mais alto já registrado pelo boletim desde outubro de 2015. Para o consumidor, o custo por quilômetro com o GNV no Rio sai, em média, por apenas R$ 0,16, chegando a R$ 0,36 com gasolina e R$ 0,45 com etanol. Para um motorista que roda, em média, 2.500 quilômetros/mês, a economia pode chegar a R$ 700 no abastecimento.

Em comparação ao etanol no desempenho por quilômetro rodado, a economia do gás natural veicular ficou acima dos 50% em 16 unidades da federação: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

Por Cléber Oliveira

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir