Dia a dia

Fumaça volta a deixar cinzento o céu de Manaus e aeroporto opera por instrumentos

A Zona Oeste de Manaus é uma das mais afetadas pela fumaça - foto: divulgação

A Zona Oeste de Manaus é uma das mais afetadas pela fumaça – foto: divulgação

Mesmo com a diminuição dos focos de incêndio em Manaus e seus arredores, a fumaça voltou a deixar cinzento o céu na capital amazonense na manhã desta quarta-feira (2), o que obrigou o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, na Zona Oeste, a operar por instrumentos por mais de 8h, a começar às 5h38 desta quarta, segundo informou a assessoria da Empresa de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Conforme a assessoria da Empresa de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), as manobras começaram a ser realizadas com o auxílio de aparelhos às 5h38 e continuavam até por volta de 1030, sem previsão de retorno da operação manual.

O procedimento é considerado normal quando as condições meteorológicas reduzem a visibilidade e não interfere no pouso e decolagem das aeronaves, que até o comento desta publicação não apresentavam atrasos nem cancelamentos.

Fumaça
O fumacê voltou a ser percebido mais intensamente na capital amazonense ainda na manhã de ontem (1º), afetando quase todas as zonas da cidade, principalmente durante da manhã. Os indícios sobre a mudança climática, porém, ainda estão sendo analisados, uma vez que os casos de incêndio caíram drasticamente no Estado durante o último mês, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Em setembro, houve 5.882 focos de incêndios em todo o Amazonas, mas em novembro esse número caiu para 1.043 casos, principalmente pela chegada do tempo chuvoso.

De acordo com nota emitida pelo governo do Estado, um relatório elaborado pelo Inpe aponta que a fumaça que se encontra sobre Manaus nos últimos dois dias é proveniente dos estados do Pará e Maranhão.

“A concentração na porção norte do Estado do Maranhão e central do Estado do Pará, fontes de emissão de fumaça na região, está sendo deslocada pelas correntes de ventos de leste nas últimas 24 horas”, explica o documento.

Os dados apresentados mostram ainda o histograma de focos de calor nos últimos sete dias na Amazônia Ocidental (desde o dia 25 de novembro). No quadro de distribuição dos 5.784 focos registrados no período, o Pará produziu 3.154 focos, o Maranhão 1.214, o Amapá 378, o Mato Grosso 375 e o Amazonas 266.

Já em relação aos 266 focos específicos do Amazonas, os municípios de Urucurituba , Barreirinha, Boa Vista do Ramos e Maués foram os que mais produziram focos de calor, com 26, 23, 21 e 20 registros, respectivamente.

Por equipe EM TEMPO Online

Texto atualizado às 11h30 para inserção de informações.

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir