País

Fuga de presídio no Recife tem dois mortos e 39 presos recapturados

Durante a fuga, dois presos morreram e 13 ficaram feridos sem gravidade, de acordo com a Secretaria Executiva de Ressocialização do Estado - foto: reprodução

Durante a fuga, dois presos morreram e 13 ficaram feridos sem gravidade, de acordo com a Secretaria Executiva de Ressocialização do Estado – foto: reprodução

A Polícia Militar de Pernambuco conseguiu recapturar 39 dos 40 presos que escaparam do Complexo Penitenciário do Curado, no Recife. A fuga aconteceu neste sábado (23), depois que os detentos explodiram um dos muros da unidade.

Durante a fuga, dois presos morreram e 13 ficaram feridos sem gravidade, de acordo com a Secretaria Executiva de Ressocialização do Estado.

A ação aconteceu no início da tarde deste sábado. Os detentos detonaram com explosivos parte de um dos muros do Presídio Frei Damião de Bozzanno, que faz parte do complexo considerado de segurança máxima. Após a explosão, moradores que vivem no entorno do presídio entraram em pânico, e comércios foram fechados.

O Complexo Penitenciário do Curado é um dos maiores do país e tem quase 7.000 presos para 2.200 vagas.

Em 2014, a CIDH (Corte Interamericana de Direitos Humanos), da OEA (Organização dos Estados Americanos), publicou uma resolução sobre o complexo. O documento exigia que o Estado de Pernambuco adotasse medidas que “possam favorecer a manutenção de um clima de respeito aos direitos humanos”, além de evitar a presença de armas em poder dos detentos e a superlotação.

Segunda fuga

A fuga de presos deste sábado foi a segunda em menos de uma semana em Pernambuco. Também com a detonação de explosivos em um muro, 53 homens fugiram na última quarta-feira (20) da Penitenciária Barreto Campelo, em Itamaracá, na região metropolitana do Recife.

No último balanço do governo divulgado neste sábado, 16 fugitivos da Penitenciária Barreto Campelo tinham sido recapturados pela polícia.

Na manhã deste domingo (24), o governador Paulo Câmara reiterou a necessidade de aumentar o rigor das medidas que vêm sendo implementadas nos últimos meses para impedir a entrada de armas, drogas e celulares nas unidades prisionais, com vistorias periódicas.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir