Esportes

Flamengo diz que Maracanã pode se transformar em ‘elefante branco’

O Maracanã é administrado por consórcio liderado pela Odebrecht, que já admitiu não ter interesse em continuar - foto: divulgação

O Maracanã é administrado por consórcio liderado pela Odebrecht, que já admitiu não ter interesse em continuar – foto: divulgação

A diretoria do Flamengo divulgou nota nesta sexta (8) reafirmando posição favorável a uma nova licitação para a administração do estádio. O clube se diz pronto para assumir a administração, e acredita que o estádio, que foi sede da final da Copa-2014, pode se tornar um “elefante branco” se não for administrado por um clube.

O clube não tem jogado no estádio em 2016 porque ele está fechado para obras voltadas aos Jogos Olímpicos do Rio, que serão em agosto.

Hoje, o Maracanã é administrado por consórcio liderado pela Odebrecht, que já admitiu não ter interesse em continuar. O Flamengo não quer que outro grupo de empresas assuma o controle do estádio nos moldes atuais, quando os clubes precisam firmar contratos para usar o equipamento.

Leia a nota do Flamengo na íntegra:

“Em 9 de maio de 2013, o Governo do Estado do Rio de Janeiro realizou licitação para a concessão da exploração comercial do Complexo Maracanã por 35 anos, processo este vencido pelo consórcio formado por Odebrecht, IMX e AEG. Contrariando uma realidade mundial, o contrato proposto pelo governo vedava a participação de clubes de futebol.

Menos de três anos depois, o consórcio vencedor manifestou interesse em negociar a devolução do contrato de administração do estádio sob o argumento de que a viabilidade do empreendimento ficou comprometida após a alteração do projeto inicial e devido aos altos custos operacionais e vultosas obras previstas no contrato.

Diante do insucesso do atual modelo de concessão no Maracanã e das manifestações e tentativas de transferir o atual contrato de concessão vigente para terceiros, o Clube de Regatas do Flamengo vem a público declarar que:

– Opõe-se ao modelo atual que veda a participação dos clubes na administração do estádio, em detrimento de empresas dissociadas da essência e da história do Maracanã;

– É necessário um novo processo licitatório, com a participação dos clubes no papel de protagonistas não só do espetáculo, mas também da gestão, administração, operação e manutenção do estádio, além da readequação do contrato às alterações do projeto. São essas as únicas formas legítimas de resolver o impasse que priva a população de utilizar um equipamento esportivo importante como o Maracanã;

– O insucesso do consórcio vencedor em 2013 reforça que as condições apresentadas no modelo atual representam um retrocesso com relação aos modelos mais modernos de gestão, administração, operação e manutenção de estádios e arenas esportivas;

– Como clube de futebol com a maior torcida do Brasil, que gera as maiores receitas no Maracanã, manifesta seu total interesse em participar da necessária e moralmente essencial nova licitação para a concessão do Maracanã, desde que como protagonista da correspondente administração;

– Se o modelo atual for mantido, em que o clube é explorado por concessionário que não gera contrapartidas compatíveis com os altos valores de aluguéis cobrados, não irá renovar o contrato de locação para uso do Maracanã, cujo contrato terminará no final de 2016;

– Não irá celebrar contrato de locação com eventual sucessor do atual Consórcio Maracanã;

– No modelo atual de concessão, sem a participação na administração dos geradores de conteúdo e receitas, existe o risco concreto de transformar um dos mais importantes estádios do mundo num “elefante branco”, o que seria lamentável para a imagem do Rio de Janeiro;

– Espera que o Governo do Estado do Rio de Janeiro, conhecedor da paixão dos seus torcedores e da importância do Flamengo no nosso Estado, possa refletir com bom senso em prol de um novo modelo concessão, justo, inclusivo com os protagonistas de direito e transparente;

– Acredita que pode seguir a tendência mundial de buscar o próprio estádio, com o clube gerando valor real aos seus torcedores e patrocinadores;

– Como clube cidadão, premiado por sua gestão transparente e reconhecido no mercado como parceiro comercial digno de confiança, está hoje, ao contrário da época em que a primeira licitação foi realizada, preparado para assumir a administração do estádio, atribuindo ainda mais valor econômico e cultural a este ícone do esporte mundial.

Por fim, torcemos, como em uma final de campeonato, para que o Maracanã volte a ser o “templo do futebol” com o espetáculo administrado por quem o produz.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir