Política

Fiscalização para a circulação de carretas em Manaus é discutida na CMM

A Comissão de Transporte da Câmara Municipal de Manaus (CMM) discutiu na manhã desta quinta-feira (28) novas ferramentas para fiscalizar a circulação de carretas de transporte de cargas pesadas na cidade de Manaus.

De acordo com presidente da comissão, vereador Rosivaldo Cordovil (PNT), a reunião foi convocada devido ao grande número de acidentes que vem ocorrendo em toda a cidade.

Na última quinta-feira (21), aconteceu um acidente envolvendo uma carreta contêiner na passagem subterrânea da avenida Humberto Calderaro Filho, antiga Paraíba. O acidente causou um grande congestionamento nas imediações da área e os reflexos foram sentidos até á noite, em vários pontos da cidade.

O diretor presidente do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito de Manaus (Manaustrans), Paulo Henrique Martins, afirmou que o problema do trânsito de Manaus é antigo, ocasionado pela falta de investimentos em muitos anos.

“A falta de investimento ao longo dos anos ocasionou esses problemas e, para melhorar essa situação, estamos montando planos para facilitar o transporte na cidade. Os resultados têm sido positivos, como a implantação da Faixa Azul, que vem facilitando o transporte coletivo”, disse Paulo Henrique.

O decreto de lei 2100/2013, restringe a circulação de veículos pesados na cidade, mas segundo Marcos Fabrício, do Conselho Comunitário do Bairro Japiim 2, a lei não vem sendo cumprida.

“Temos problemas sérios com o fluxo continuo de veículos pesados que circulam dentro do Japiim 2. Antes era apenas em um horário e hoje o que podemos observar é um fluxo continuo, e o asfalto que não é próprio não suporta, trazendo vários transtornos para a população que sofre com os buracos e barulhos feitos pelas carretas’, disse Marcos.

Para o diretor presidente do Manaustrans, avançar com restrição de circulação de veículos pesados seria a solução para o problema, mas sem prejudique a indústria.

Segundo o diretor presidente do Departamento Estadual de Trânsito, Leonel Feitosa, de janeiro a março deste ano, mais de 80 carretas foram apreendidas com diversas situações, entre elas ausência de carteira de habilitação dos motoristas e até cargas mal condicionadas.

Para Feitosa, a restrição em certos horários desses veículos poderia minimizar o problema de trânsito na cidade.

“Tem que haver realmente a restrição de horário para dar mais segurança à população e a CMM tem que delimitar a circulação desses veículos. Hoje, a polução teme em trafegar do lado de carretas com contêiner, devido ao relato de vários acidentes, muitas infelizmente com vitimas fatais. Então nós temos sim que restringir o horário de circulação, logicamente não prejudicando o comércio, a indústria”, falou Feitosa.

Por equipe EM TEMPO Online
Com informações de Henderson Martins

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir