Política

Filiação de Marcelo Ramos no PRB continua ‘travada’

Numa situação extremamente delicada e correndo contra o tempo, o ex-deputado estadual Marcelo Ramos (sem partido) encontra dificuldades para se filiar num partido político. Pré-candidato a prefeito de Manaus nas eleições do próximo ano, o ex-parlamentar não tem conseguido viabilizar alianças para garantir seu projeto político. Ele está em Brasília desde ontem acertando negociações para se filiar a alguma legenda partidária.

Interessado em assinar filiação no Partido Republicano Brasileiro (PRB), ligado a políticos evangélicos e parte do arco de sustentação do grupo comandado pelo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB), Marcelo Ramos tem puxado o freio devido a uma possível ingerência de Braga. Ramos argumenta que não quer qualquer relação com o ministro.

O fato é que o ex-deputado está negociando sua filiação ao PRB. Informações extraoficiais que circulavam nos bastidores ontem davam conta de que ele já teria assinado sua ficha no partido. Entretanto, procurado pela reportagem, o presidente nacional da sigla, Marcos Pereira, negou que Ramos tenha ingressado na legenda.

Encurralado e com chances mínimas de ser a “estrela” de um novo partido, Ramos revelou ao EM TEMPO que não descarta a possibilidade de ir para uma sigla pequena, caso a negociação com o PRB não avance. “Só tem uma condição que eu não aceitaria nunca para ir ao PRB, que é ter qualquer relação com o projeto do Eduardo Braga porque o considero o que de pior existe na política do Amazonas. Só vou para um partido que aceite construir um projeto independente dos velhos políticos do Amazonas. Vou para um partido pequeno, mas não traio a confiança das pessoas que acreditam em mim e nem os ideais que me trouxeram até aqui”, argumentou o ex-deputado.

O mesmo discurso foi adotado por ele quando foi questionado sobre sua articulação para se filiar ao PDT. Naquele partido, o principal entrave seria o ex-prefeito Amazonino Mendes, que comanda o PDT no Amazonas. Ramos também ensaiou retornar ao PSB, seu ex-partido do qual se desfiliou em maio deste ano, mas o presidente de honra da legenda, deputado Serafim Corrêa, declarou que lá não há mais espaço para o ex-aliado.

Para amenizar a dificuldade que tem encontrado em fechar uma filiação – ele já tentou também com o PV e SDD –, Ramos tem confidenciado a interlocutores que tem esbarrado em “forças muito poderosas”, que o impedem de seguir em uma legenda.

Fontes próximas a ele afirmam que essas “forças poderosas” seriam Braga e até mesmo o prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), que seria seu principal adversário nas eleições do próximo ano. Ramos não quis comentar essas declarações.

Dificuldade

O entrave de sua filiação ao PRB está tão tenso que o presidente regional do PMDB, vereador Marcel Alexandre, que é ligado ao PRB, também viajou a Brasília ontem para tratar desta “filiação”. Por telefone, Marcel disse ao EM TEMPO que o partido também segue indefinido em relação à questão e vê dificuldade num acerto entre Ramos e a cúpula do partido. Mas, frisou o vereador, o grupo – comandado por Braga – está aberto para diálogos.

“Ramos é uma pessoa bem- vinda para conversar sobre política, no momento não definimos nada com o PRB, estamos tendo conversa dentro do grupo político, e caso ele queira conversar e rever suas ideais anteriores, o grupo está aberto para diálogos”, disse o peemedebista.

Por Henderson Martins

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir