País

FHC presta depoimento à Polícia Federal em São Paulo

FHC sempre negou ter usado a empresa e diz que os recursos enviados ao filho provêm de "rendas legítimas" de seu trabalho, depositadas em contas legais e declaradas à Receita - foto: divulgação

FHC sempre negou ter usado a empresa e diz que os recursos enviados ao filho provêm de “rendas legítimas” de seu trabalho, depositadas em contas legais e declaradas à Receita – foto: divulgação

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi ouvido nesta sexta-feira (29) na Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo, sobre as acusações de que ele teria usado uma empresa concessionária do governo federal para repassar dinheiro à jornalista Mirian Dutra para custear as despesas de educação de seu filho Tomás.

FHC manteve um relacionamento com a jornalista nos anos 1980 e 1990 e, em 2009, decidiu reconhecer oficialmente a paternidade de Tomás -então com 18 anos.

O órgão investiga a suspeita de evasão de divisas desde que Mirian afirmou que os repasses eram feitos por meio de um contrato fictício de trabalho com a empresa Brasif, que explorava os free shops (lojas com isenção de impostos) de aeroportos brasileiros na gestão do tucano.

O ex-presidente foi ouvido pelo delegado João Thiago Pinho, da Delegacia de Repressão aos Crimes Financeiros e Desvio de Verbas Públicas, de Brasília, das 14h20 até as 17h20. O teor do depoimento está sob sigilo, já que o caso corre sob segredo de justiça.

FHC sempre negou ter usado a empresa e diz que os recursos enviados ao filho provêm de “rendas legítimas” de seu trabalho, depositadas em contas legais e declaradas à Receita.

Mirian Dutra

No começo de abril, em depoimento de mais de cinco horas, Miriam confirmou à Polícia Federal que recebia cerca de US$ 3.000 mensais do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para pagar pela educação de seu filho Tomás.

Segundo teria relatado à PF, a jornalista recebia os dólares em espécie. Nos anos 1990, quando FHC presidia o Brasil, o dinheiro era levado por um cunhado a Portugal, onde Mirian morava.

Ainda de acordo com esse relato, a jornalista recebia o dinheiro na forma de crédito em conta quando passou a viver na Espanha.

Na ocasião, o ex-presidente lamentou, por meio de sua assessoria, “a exploração pública de uma questão pessoal”.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir