Artigos

Feliz ano novo

Escritor e empresário

Luiz Lauschner
Escritor
e empresário

São os votos feitos na hora certa neste país onde o ano começa após o Carnaval. No período que transcorre entre o dia primeiro de janeiro até o Carnaval nada é definitivo e tudo é postergado. As pessoas que decidem estão de férias ou impotentes porque seus auxiliares estão. O período da festa momesca é o ápice do Dulce Far Niente, a não ser que você considere como trabalho os folguedos carnavalescos ou esteja envolvido na organização deles. Sim, folia também é trabalho para muitos. O Carnaval preocupa, mesmo que seja apenas a preocupação de vê-lo chegar ao fim para que o Brasil possa funcionar.

O povo brasileiro, antes e durante as festas, fica desligado da realidade produtiva. O governo aproveita-se disso para mexer numa alíquota aqui, outra ali, sempre com a finalidade de surrupiar mais algum do bolso já tão exaurido do “contribuinte” tupiniquim. Os legisladores aproveitam o desfoque da mídia para aumentar seus próprios ganhos, numa celeridade ausente em outras ocasiões. Ainda não falamos das taxas dos serviços públicos, principalmente energia, água e telefone que chegam à quaresma mais caros.

Está longe de nós criticar a explosão de alegria que parece nivelar, pelo menos temporariamente, a todo o povo; Longe de nós ignorar o efeito sobre o turismo que o Carnaval exerce; Longe de nós impedir a diversão das pessoas. Também não fazemos parte daqueles que veem no Carnaval uma deturpação da brincadeira sadia, distanciando-o de outras formas de lazer. Nem nos juntaremos aos que condenam a festa por motivos religiosos. Nunca nos esqueçamos que os três dias de folguedos foram instituídos pela Igreja Católica para extravasar e depois manter o período da Quaresma suficientemente triste para as pessoas sentissem com antecedência o sofrimento de Jesus na cruz. Nos quarenta dias que vão da quarta feira de cinzas até o sábado de aleluia não eram permitidas demonstrações de alegria, como bailes, nem mesmo eram realizados casamentos. É provável que, quando a Igreja Católica impunha os feriados, o período produtivo só começasse após a Páscoa.

Nossa reflexão vai em outro rumo. O falado recesso do Legislativo e do Judiciário que, na prática, só termina após o Carnaval, precisaria realmente existir por um período tão longo? A maioria dos setores da indústria, comércio, agricultura e serviços não pode fazer isso. Lá há um revezamento que não é copiado pelo governo. As pessoas teimam em não aprender com a natureza que jamais para. O homem é um ser natural, por isso precisa alimentar-se também no período ocioso. Isso faz com que as contas não deixam de chegar, mesmo quando a renda está de férias.

É provável que nosso comentário não provoque nenhuma mudança, até porque já nos acostumamos ao “é assim mesmo”, mas, passada a ressaca, é hora de arregaçar as mangas e voltar à ativa. As férias existem para que o trabalho possa ser encarado com alegria no término delas.

Nossa esperança é de que o ano de 2016 seja mais proveitoso que o que passou. Por isso, nem um pouco atrasados, desejamos um FELIZ ANO NOVO.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir