Dia a dia

Família de 5º detento morto diz que polícia pediu dinheiro para facilitar fuga

Familiares identificaram Arlisson Matos Pereira como o quinto fugitivo da Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa (CPRVP) a ser encontrado morto. O cadáver foi localizado, nesta segunda-feira (27), no ramal da Gisele, bairro Distrito Industrial 2, Zona Leste. Eles denunciaram um suposto suborno por parte de policiais, que fazem a segurança da muralha, para facilitar a fuga dos detentos.

Segundo uma prima, que preferiu não se identificar, Arlisson ligou para a mãe, na última sexta-feira (24), e avisou que iria fugir da Cadeia Pública com outros detentos.

“O Arlisson contou que ele e outros presos tinham se juntado para pagar uns policiais, que trabalham no local, para conseguirem escapar da Vidal. Segundo ele informou por telefone, ele e grupo estavam esperando apenas uma ‘canetada’ para concretizar a fuga”, disse sem citar os nomes dos envolvidos no esquema.

A mulher relatou que no dia seguinte, no sábado (25), o primo ainda entrou em contato pela manhã com a mãe, mas depois das 11h, ela não teve mais notícias dele.

“Ele ligou para a mãe para pedir que ela fizesse comida para ele, pois estava sentindo falta do tempero dela. Falou uma outra vez rapidamente e depois das 11h, ele sumiu. O estranho é ele ter fugido e não ter entrado em contato com a gente para avisar, já que ele tinha ligado antes”, indagou.

Ainda conforme a prima de Arlisson, ela teve informações que, por volta das 22h ainda do sábado, viaturas da polícia e ambulância foram acionadas para a cadeia. E somente à meia-noite que divulgaram sobre a fuga.

“A gente quer saber a verdade, o que aconteceu realmente com o Arlisson”, frisou a familiar, que acredita que eles possam ter sido vítimas de uma “cilada”.

Os outros quatro fugitivos mortos foram achados no domingo (26), em ramais do Tarumã Açú.

Crimes

Arllison foi preso por envolvimento em um homicídio em 2012 e por estupro em 2015. A vítima, na ocasião, relatou que o suspeito entrou na casa dela e perguntou por seu irmão, que estaria devendo para ele R$ 100. Ao perceber que a pessoa que procurava não estava no local, ele a amarrou com um fio de carregador de celular e a estuprou. Depois do ato, ele teria supostamente roubado o celular da jovem. O caso foi registrado no 13º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

Acusações

Os familiares de Breno Custódio de Jesus, Douglas da Silva Costa e Edgar de Souza Ribeiro, os primeiros a serem encontrados mortos, já haviam acusado os policiais pela morte dos detentos. Neste domingo (26), uma das mães, que não se identificou, disse que os presos estão sendo castigados dentro da Cadeia Pública. Além disso, ela recebeu a informação que o filho e os outros fugitivos foram colocados em viaturas e executados nos ramais.

Investigação sobre a fuga

A reportagem entrou em contato com o secretário de segurança pública do Amazonas (SSP-AM), Sérgio Fontes, por telefone, para que ele comentasse as denúncias, mas as ligações não foram atendidas. O titular da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), tenente-coronel Cleitman Rabelo Coelho, que também não foi encontrado.

Foram enviados e-mails para as assessorias de imprensa dos órgãos, além da Polícia Militar do Amazonas (PM-AM) e, assim que recebermos as respostas, atualizaremos esta matéria.

Manoela Moura
EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir