Cultura

Exposição no Museu do Amanhã traz Santos Dumont como poeta voador

Exposição aberta hoje (26) no Museu do Amanhã apresenta o lado inovador e artístico de Santos Dumont. A mostra tem réplicas em tamanho real, além de conteúdo interativo e audiovisual - foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Exposição aberta hoje (26) no Museu do Amanhã apresenta o lado inovador e artístico de Santos Dumont. A mostra tem réplicas em tamanho real, além de conteúdo interativo e audiovisual – foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Inaugurado em dezembro do ano passado com a proposta de ser um espaço cultural voltado às ciências e com foco na sustentabilidade e nos cenários para o futuro, o Museu do Amanhã escolheu um visionário como tema de sua segunda exposição temporária. A partir de hoje (26), a exposição O Poeta Voador, Santos Dumont é a nova atração para os milhares de visitantes do museu – símbolo da revitalização da Praça Mauá, na zona portuária do Rio.

A trajetória de Alberto Santos Dumont (1873-1932) – o inovador que se dedicou à ciência e à tecnologia inspirado pela arte – é contada em linguagem audiovisual e interativa, além contar com protótipos de suas principais criações e réplicas em tamanho real do avião Demoiselle e do pioneiro 14 Bis. O objetivo é apresentar Santos Dumont não só como o responsável por uma invenção que mudou o planeta, mas também como um jovem empreendedor que disponibilizava seus projetos para que fossem replicados, em vez de registrar patente.

Concebida e realizada pela Fundação Roberto Marinho, que desenvolveu o conceito e responde pelo conteúdo do museu, a exposição tem curadoria do cenógrafo, designer e arquiteto Gringo Cardia e consultoria científica do biofísico e pesquisador Henrique Lins de Barros. A mostra ocorre no ano em que se comemora o 110º aniversário do voo do 14 Bis, o primeiro oficialmente homologado da História.

“Destacamos o lado poético e artístico de Santos Dumont, daí o título O Poeta Voador. Ele era um homem de ciências que se inspirava na arte e foram as histórias de Julio Verne [escritor francês de literatura científica] que o despertaram para o sonho de voar”, diz Gringo Cardia. Segundo ele, a exposição busca exercitar a criatividade do público e impulsionar descobertas acerca da figura icônica do Pai da Aviação.

“As pessoas guardaram Santos Dumont numa prateleira de clichês, mas ele era e ainda é muito moderno e inovador”, define o curador. Gringo Cardia concebeu cinco ambientes para conduzir o visitante no universo do inventor.
Rio de Janeiro – Exposição aberta hoje (26) no Museu do Amanhã apresenta o lado inovador e artístico de Santos Dumont. A mostra em réplicas em tamanho real, além de conteúdo interativo e audiovisual (Tomaz Silva/

Uma réplica do Demoiselle insere o público na História, por meio da simulação de um voo sobre a Paris da época e o Rio de Janeiro antigoTomaz Silva/Agência Brasil

Na sala principal, protótipos dos sete modelos criados por Santos Dumont – do balão Brasil ao avião Demoiselle, passando pelo 14 Bis, mostram a evolução da tecnologia desenvolvida pelo inventor. Imagens digitalizadas, documentos e fotos históricas são mostrados em telas interativas.

Em um estúdio, uma réplica do Demoiselle em tamanho real insere o público na História, por meio da simulação de um voo sobre a Paris da época e o Rio de Janeiro antigo, mas com o Museu do Amanhã na paisagem. Os visitantes, em número de seis pessoas por hora, poderão entrar no Demoiselle e fazer um voo filmado.

Um documentário sobre a trajetória de Santos Dumont ocupa a Sala Cinema, enquanto na Sala dos Balões um filme passeia pela história dos voos, desde o italiano Leonardo da Vinci até o feito do brasileiro que fez seu avião decolar, voar e pousar com sucesso. Conceitos de física como aerodinâmica e a mecânica de motores são mostrados, de forma lúdica, na Sala da Oficina de Aviões de Papel.

Nesse espaço, o último da exposição, o público participa de um jogo. Numa grande mesa, o visitante produz seus aviões de papel, que são arremessados a partir de uma plataforma sobre uma pista de pouso.

Diretrizes

Para o diretor-geral do Museu do Amanhã, Ricardo Piquet, a exposição está em sintonia com as diretrizes da instituição. “Santos Dumont é atemporal e por isso se alinha à nossa essência de examinar o passado, apresentar tendências do presente e explorar cenários possíveis para as próximas décadas. Suas invenções continuarão a contribuir para as próximas gerações”, avalia o diretor do museu.

O Poeta Voador, Santos Dumont fica em cartaz até 30 de outubro e pode ser visitada de terça-feira a domingo, das 10h às 18h. Os ingressos para o museu, incluindo o circuito permanente e a exposição temporária, custam R$ 10 e R$ 5 a meia-entrada, mas às terças-feiras a visitação é gratuita.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir