Política

Ex-tesoureiro do PT fica calado e é vaiado em CPI dos Fundos de Pensão

Vaccari foi questionado sobre as suspeitas de desvios nos fundos e sua relação com dirigentes dos fundos de pensão, mas não respondeu a nenhuma pergunta - foto: divulgação

Vaccari foi questionado sobre as suspeitas de desvios nos fundos e sua relação com dirigentes dos fundos de pensão, mas não respondeu a nenhuma pergunta – foto: divulgação

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto ficou calado em depoimento à CPI dos Fundos de Pensão nesta quarta-feira (3) e recebeu vaias de um grupo de pensionistas desses fundos que assistiam à sessão.

Vaccari foi convocado para falar sobre suspeitas de tráfico de influência junto a fundos de empresas estatais para desvio de recursos, segundo delações e investigações da Operação Lava Jato. Atualmente ele está preso em Curitiba, sob suspeita de desvios em contratos da Petrobras para abastecer o PT.

Assegurado ao direito de silêncio por um habeas corpus preventivo, o ex-tesoureiro avisou logo em suas considerações iniciais: “Agradeço a oportunidade do tempo, mas exercerei o meu direito de ficar calado”.

A sessão foi iniciada por volta das 13h. Estava prevista para a manhã, mas o voo que traria o ex-tesoureiro de Curitiba atrasou.

Vaccari foi questionado sobre as suspeitas de desvios nos fundos e sua relação com dirigentes dos fundos de pensão, mas não respondeu a nenhuma pergunta.

Também foi criticado pelos parlamentares. “Seu silêncio representa presunção de culpa”, afirmou o presidente da CPI, deputado Efraim Filho (DEM-PB).

Por volta das 16h, o depoimento ainda estava em andamento, com questionamentos de deputados, mas sem respostas de Vaccari.

Jaques Wagner

O presidente da CPI adiantou que colocará em votação no próximo dia 16, após o Carnaval, requerimentos para convocação do ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, e do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro.

O motivo dos requerimentos são as trocas de mensagens entre Wagner e Pinheiro na qual o empreiteiro pede ajuda a Wagner, à época governador da Bahia, para liberação de recursos da Funcef (fundo de pensão da Caixa Econômica Federal).

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir