Dia a dia

Ex-presidiário é executado e pastor é ferido com tiro nas costas, na Zona Norte

A Delegacia Especializada de Homicídios e Sequestros (DEHS) trabalha com a hipótese de acerto de contas relacionado a tráfico de drogas - foto: divulgação

A Delegacia Especializada de Homicídios e Sequestros (DEHS) trabalha com a hipótese de acerto de contas relacionado a tráfico de drogas – foto: divulgação

O ex-presidiário Antônio Nelson Freitas do Nascimento, 31, conhecido como ‘Cobra grande’, 32, foi executado com três tiros na noite deste sábado (9), na rua São Marcos, bairro Novo Israel, Zona Norte de Manaus. O amigo da vítima fatal, o pastor Wanderley Marques Lima foi alvejado, que estava com ele no momento do crime, foi atingido com um tiro nas costas.

O pastor foi socorrido e levado para o Hospital e Pronto-Socorro Platão Araújo, na Zona Leste, onde passou por procedimentos médicos. Seu estado de saúde é estável.

De acordo com a polícia, o crime foi praticado por traficantes, sendo um deles identificado como ‘Anjinho’ que estavam em um veículo modelo S10, de cor preta e placa não identificada.

Ainda conforme a polícia, alguns minutos antes do assassinato, ‘Anjinho’ estava à procura de ‘Cobra grande’ que recentemente saiu da cadeia e estava cumprindo pena no regime semiaberto e desde então vinha sendo ameaçado de morte.

Testemunhas relataram à Polícia Civil, que no momento do crime ‘Cobra grande’ estava com o pastor em um veículo modelo Celta, cor vermelha, placa JWO-3965, quando os criminosos o abordaram e ordenaram que o ex-presidiário saísse do carro. Logo em seguida, ‘Anjinho’ atirou três vezes contra a vítima.

Os tiros atingiram a barriga e as costas da vítima. Após os disparos, os suspeitos fugiram do local.
No site do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), consta que Antônio Nelson tinha uma passagem pela polícia pelo crime de tráfico de drogas, quando foi preso em setembro 2013 com 50 quilos de maconha. Na época a prisão foi realizada pelos policiais da Secretaria Executiva de Inteligência (Seai).

No processo, as investigações apontam que o detento era responsável por receber a droga e distribuir na Zona Norte. ‘Cobra grande’ foi condenado há 4 anos e 8 meses de prisão em dezembro do ano passado, mas conseguiu progressão de regime em março deste ano.

A Delegacia Especializada de Homicídios e Sequestros (DEHS) trabalha com a hipótese de acerto de contas relacionado a tráfico de drogas.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir