Política

Ex-diretor da Petrobras é condenado a quatro anos de prisão por fraude

O ex-diretor também foi condenado a pagar multa de US$ 16,5 milhões - foto: divulgação

O ex-diretor também foi condenado a pagar multa de US$ 16,5 milhões – foto: divulgação

A Justiça do Rio condenou, nesta terça (12), o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Jorge Luiz Zelada e o lobista João Augusto Rezende Henriques à pena máxima de quatro anos de prisão por fraude em licitação.

Eles também foram condenados a pagar multa de US$ 16,5 milhões. A decisão foi do juiz titular da 27ª Vara Criminal da capital fluminense, Flavio Itabaiana.

Os dois condenados estão presos em Curitiba, no âmbito da Operação Lava Jato. Após a sentença do magistrado, foi expedida carta precatória para que os réus sejam intimados.

Zelada foi denunciado pelo Ministério Público por influenciar licitação em favor da Odebrecht. A empreiteira foi contratada em setembro de 2010, por US$ 825 milhões. Mais tarde, o contrato foi reduzido para R$ 485 milhões porque a Petrobras vendeu ativos no exterior.

Henriques é apontado pelo Ministério Público como uma espécie de preposto de Zelada para recolher e repassar propina em contratos da diretoria internacional, no Brasil e no exterior.

Também foram condenados no processo, por ajudarem na licitação, os engenheiros da Petrobras Aluísio Teles Ferreira Filho, Alexandre Penna Rodrigues e Sócrates José Fernandes Marques da Silva, o advogado da empresa Venâncio Pessoa Igrejas Lopes Filho, o técnico de inspeção de equipamentos -transferido da Transpetro para a Petrobras exclusivamente para tomar parte na licitação- Ulisses Sobral Calile e Rodrigo Zambrotti Pinaud.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir