Política

Ex-deputados são denunciados por corrupção na Lava Jato

Pela primeira vez na Operação Lava Jato, quatro políticos passaram a responder à acusação de terem desviado dinheiro público da Petrobras.

Os ex-deputados André Vargas (ex-PT-PR, sem partido), Luiz Argôlo (SD-BA) e Pedro Corrêa (PP-PE), além de sua filha, a também ex-deputada Aline Corrêa (PP-SP), foram denunciados à Justiça nesta quinta-feira (14), pelo Ministério Público Federal no Paraná.

Eles são acusados de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e peculato.

Além deles, outras nove pessoas também foram denunciadas por participação nos crimes -entre elas o doleiro Alberto Youssef, seu funcionário Rafael Ângulo, o publicitário Ricardo Hoffmann e o irmão de Vargas, Leon Vargas.

A Justiça ainda precisa acolher ou não a denúncia do Ministério Público. Só depois disso é que eles podem ser considerados réus.

Sem mandato, os três ex-deputados estão presos preventivamente na Polícia Federal em Curitiba há pouco mais de um mês, onde dividem uma cela. Todos negam que tenham cometido crimes.

Histórico

Vargas, ex-vice-presidente da Câmara, era uma força em ascensão no PT. Foi cassado no final do ano passado, depois de vir à tona seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, que distribuía propinas da Petrobras a partidos políticos.

O ex-petista, que chegou a viajar de férias num avião emprestado por Youssef, foi cassado por intermediar negócios do doleiro com o Ministério da Saúde.

Corrêa, ex-presidente do PP, já foi condenado no processo do mensalão e cumpria pena em regime semiaberto em Pernambuco quando foi transferido para Curitiba.

Cassado pela Câmara em 2006, o ex-deputado teve movimentação financeira incompatível com seus rendimentos mesmo após deixar o parlamento, segundo os procuradores.

O Ministério Público Federal afirma que Corrêa pediu dinheiro emprestado a Youssef por e-mail e o visitou ao menos 23 vezes entre 2011 e 2013 -portanto, após ter perdido o mandato.

Argôlo, que tem 34 anos e era considerado uma promessa na política baiana, é acusado de envolvimento com Youssef, principal delator da Lava Jato.

O Ministério Público Federal diz que helicóptero, máquinas, cadeiras de rodas e até boletos de IPTU do ex-deputado foram pagos por Youssef e que ele usou até os pais como laranjas para receber dinheiro de propina da Petrobras.

O baiano era do PP, partido para o qual Youssef operava, mas se desfiliou em 2013 e migrou para o Solidariedade.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir