Mundo

EUA pediram ao México extradição de chefe de cartel semanas antes de fuga

Semanas antes da fuga do chefe do cartel de Sinaloa, Joaquín ‘El Chapo’ Guzmán, de uma prisão de segurança máxima no México, as autoridades do país haviam recebido um pedido de extradição do narcotraficante para os Estados Unidos, onde ele é acusado de diversos crimes.

Guzmán fugiu da prisão de Altiplano, a 90 quilômetros da cidade do México, na noite de 11 de julho, saindo de sua cela por um túnel subterrâneo de 1,5 quilômetro de extensão. Um vídeo registrou o momento da fuga do narcotraficante.

O pedido de extradição, feito por meio de nota diplomática, foi entregue em 25 de junho, segundo autoridades mexicanas.

Diversas autoridades americanas, incluindo legisladores e servidores policiais, vinham exigindo a extradição de Guzmán desde sua detenção, em fevereiro de 2014. O narcotraficante é acusado no país de diversos crimes, incluindo tráfico de cocaína e lavagem de dinheiro.

O México, no entanto, afirmava que Guzmán poderia ser enviado aos EUA somente depois de cumprir sua pena no país.

Documentos da Agência Antidrogas dos EUA (DEA, sigla em inglês) demonstram que as autoridades americanas sabiam que Guzmán planejava fugir da prisão. Desconhecia-se, no entanto, a intenção de fugir por um túnel.

É a segunda vez que Guzmán foge da prisão. Capturado pela primeira vez em 1993 na Guatemala, o narcotraficante foi transferido para a prisão mexicana de Jalisco, de onde conseguiu fugir em 19 de janeiro de 2001, aparentemente escondido em um carrinho de roupa suja.

“Este é um dos motivos do nosso pedido de extradição”, disse à agência de notícias Associated Press o chefe da DEA, Jack Riley. “Nós temíamos isto. Não que [as autoridades mexicanas] não fossem capazes de mantê-lo preso, mas ele já havia escapado anteriormente.”

Estima-se que o cartel de Sinaloa, chefiado por Guzmán, tenha traficado para os EUA o equivalente a bilhões de dólares em drogas. Além disso, a organização é responsável por milhares de mortes por meio da violência e do vício às drogas.

PRISÕES

O México prendeu formalmente sete dos 22 funcionários da penitenciária de segurança máxima que estão sendo investigados pela fuga de Guzmán, informou nesta sexta-feira (17) uma fonte da Promotoria Federal.

“Há mandados de prisão contra sete servidores públicos, que saíram da Promotoria rumo a uma prisão federal”, declarou a fonte à agência France Press. Não foi informado se o diretor da penitenciária de Altiplano está entre os detidos.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir