Mundo

EUA anunciam envio de mais militares ao Iraque

O presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou nesta quarta-feira (10) o envio de mais 450 militares ao Iraque, para dar assistência às forças locais e tentar retomar território perdido para o EI (Estado Islâmico).

De acordo com o plano divulgado pela Casa Branca, os EUA vão abrir um quinto centro de treinamento em território iraquiano, com o objetivo de integrar as forças de segurança do país e combatentes sunitas.

A meta imediata é a retomada da cidade de Ramadi, dominada pela milícia radical islâmica -que também controla parte do território da Síria- desde o mês passado.

Obama tomou a decisão a pedido do primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, e depois de consultar o Pentágono, informou o porta-voz do presidente, Josh Earnest.

A Casa Branca afirma que a ideia não é mudar a estratégia de combate, mas envolver mais as tribos sunitas iraquianas na luta. O governo do Iraque é hoje controlado por muçulmanos xiitas, e há dúvidas sobre seu empenho em recrutar combatentes sunitas para expulsar o EI, também sunita, de cidades como Ramadi e Fallujah -a última, dominada há mais de um ano.

O governo americano frisou, ainda, que o novo contingente de militares não será empregado em ações de combate – diferentemente do que ocorreu durante a invasão e a ocupação do país por tropas dos EUA, que começou em 2003, na gestão de George W. Bush, e durou até 2011.

Há hoje cerca de 3.100 soldados americanos no Iraque, envolvidos em atividades de treinamento das forças locais e outras funções de apoio. O país também faz parte de uma coalizão que vem bombardeando posições do EI, enquanto as operações em terra são empreendidas pelos militares iraquianos.

REAÇÕES

O presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, o republicano John Boehner, elogiou o envio de mais assessores militares ao Iraque como “um passo na direção certa”.

Boehner, porém, voltou a criticar o democrata Obama por, segundo ele, não ter uma “estratégia abrangente” para lidar com o Estado Islâmico.

Outros oposicionistas, como o senador e ex-candidato presidencial John McCain, líder da Comissão das Forças Armadas, classificaram de insuficiente a ação do governo.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir