Sem categoria

Estudante de jornalismo é perseguido e agredido no trânsito por aposentado

O caso foi registrado no 16º Distrito Integrado de Polícia (DIP) - foto: Mairkon Castro

O caso foi registrado no 16º Distrito Integrado de Polícia (DIP) – foto: Mairkon Castro

O estudante de jornalismo Mairkon Castro que pertence à equipe do EM TEMPO Online foi agredido com um soco no rosto, na manhã desta sexta-feira (12), por volta de 11h, após um desentendimento no trânsito por Sifrido Fernandes Aponte,64, que se identificou como policial militar aposentado. O caso ocorreu na avenida Humberto Calderaro, bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul.

De acordo com Mairkon, que conduzia o veículo Fiat Uno, cor verde, placa JXP 7168, ele trafegava na avenida Belo Horizonte, quando o agressor, que estava no carro de modelo Gol, cor vermelha, placa NOI 7014,  seguiu a vítima e o acusou de ter batido em seu veículo.

Ainda conforme a vítima, o homem, que estava bastante nervoso, o ameaçou com um revólver e o fez parar no meio-fio, já na avenida Humberto Calderaro, dando um soco no rosto da vítima.

“Agressão física e ameaça não combinam no trânsito. O pior de tudo foi ele ter apontado uma arma e  sair me batendo. Fiquei sem nenhuma reação. Ainda tentei dialogar com ele, mas fui chamado de louco.  Cheguei à delegacia em estado de choque”, disse o estudante.

O caso foi registrado no 16º Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde prestou depoimento à polícia e, posteriormente, foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para a realização do exame de corpo de delito.

Por equipe EM TEMPO Online

1 Comment

1 Comment

  1. Fabio Luiz Mendes Mulazani

    12 de fevereiro de 2016 at 19:48

    O pior de tudo é encontrar um desvairado deste na rua, que se intitula policial, ainda que aposentado, comportando-se como um meliante comum.
    Tem que ser responsabilizado e punido exemplarmente.
    Acredito plenamente, que a Corregedoria da PMMN, irá tomar as devidas medidas para enquadrar este cidadão que deveria primar pela segurança da população e não ser um péssimo exemplo para a corporação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir