Economia

Estimativas do IBGE indicam safra de grãos menor em 2016

Os dados indicam que o arroz, o milho e a soja continuam como os três principais produtos da safra 2016 - foto: divulgação

Os dados indicam que o arroz, o milho e a soja continuam como os três principais produtos da safra 2016 – foto: divulgação

Os cálculos do quarto LSPA (Levantamento Sistemático da Produção Agrícola), relativos a abril e divulgados nesta terça (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), revertem o quadro de previsão de nova safra recorde para este ano, que predomina nas três primeiras estimativas de 2016.

Os dados indicam que a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas totalizará 205,4 milhões de toneladas, resultado 1,9% inferior ao obtido em 2015 (209,4 milhões de toneladas). Em comparação com as previsões de março, a produção variou negativamente 2,2%, mesmo com a área plantada aumentando em 0,3%. As informações são da Agência Brasil.

Pela nova projeção, as estimativas da área a ser colhida são de 58,5 milhões de hectares, um acréscimo de 1,6% diante da área colhida em 2015 (57,6 milhões de hectares). Os dados indicam que o arroz, o milho e a soja continuam como os três principais produtos da safra 2016.

Somados, eles chegam a representar 92,9% da estimativa da produção total de cereais, leguminosas e oleaginosas e respondem por 87,1% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior, houve acréscimo de 2,9% na área de soja e de 2,9% na de milho. Em contrapartida, na área de arroz houve redução de 7,7%. Quanto à produção, o aumento é de 1,3% para a soja, mas deve haver redução de 7,6% para o arroz e de 5% para o milho, ambas determinantes para a reversão da expectativa de nova safra.

Quando se fala da proporção da produção em relação ao total nacional, as previsões regionais da safra 2016 não trazem alterações significativas e o volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas continua tendo a região Centro-Oeste como principal destaque, com 87 milhões de toneladas, o equivalente a 42,35 da produção total do país; depois, vêm a região Sul, 74,6 milhões de toneladas (36,3% do total); Sudeste, 20,9 milhões de toneladas (10,2%); Nordeste, 15,8 milhões de toneladas (7,7% do total); e a região Norte, 7,1 milhões de toneladas.

Conab

Já a falta de chuvas resultou na diminuição da produtividade de soja e milho, de acordo com o 8º Levantamento da Safra de Grãos 2015/2016, divulgado nesta terça (10) pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). Com isso, a estimativa para a produção brasileira passa a ser de 202,4 milhões de toneladas queda de 2,5% ou 5,3 milhões de toneladas em relação à safra 2014/2015 (207,7 milhões de toneladas).

Segundo a Conab, a queda deve-se principalmente ao milho segunda safra, fortemente afetado pela seca do mês de abril. A expectativa é de uma produção de 52,9 milhões de toneladas 3,1% a menos que os 54,6 milhões de toneladas da safra 2014/2015.

Por Folhapress

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir