Dia a dia

Especialista alerta que câncer de colo de útero pode ser prevenido com vacinação

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) aponta que o câncer de colo de útero é o que apresenta a maior incidência entre as mulheres no Amazonas. A doença, que mata cerca de 5 mil pacientes por ano em todo o Brasil, pode ser prevenida com vacinação para ambos os sexos, destaca a médica Amanda Alecrim, diretora da Clínica Vacinar.

Responsável por 99% dos casos de câncer de colo de útero no mundo, o Human Papillomavirus (HPV) pode ser evitado com imunização. “Estamos falando do terceiro tumor mais frequente em todo o país e o segundo câncer que mais mata no nosso Estado. O que nos entristece é saber que é uma doença prevenível, que pode ser evitada”, afirma a médica.

A prevenção, assim como o diagnóstico precoce dos cânceres de colo de útero e de mama é o principal objetivo da campanha Outubro Rosa, que ocorre no próximo mês, e que envolve várias secretarias e entidades do Amazonas.

De acordo com Amanda, uso de preservativo e vacinação estão entre as formas de prevenção primária. “O preservativo ajuda a reduzir as chances de transmissão, mas não garante totalmente que a pessoa não contraia o HPV, pois pode haver outras partes do corpo contaminadas. É importante lembrar que o vírus pode ser transmitido mesmo sem a relação sexual”, disse.

A segunda e mais eficaz forma de prevenção é a imunização. “Hoje, nós temos disponíveis, no Brasil, dois tipos de vacina, ambas licenciadas para pessoas a partir de nove anos de idade. Uma delas, inclusive, pode ser aplicada em homens até os 26 anos. O ideal é que o público procure informações especializadas com um médico, para decidir sobre a opção mais adequada para cada caso”, alertou.

A prevenção secundária, ressalta a médica, é feita através do exame Papanicolau, que deve ser realizado rotineiramente pelas mulheres, a partir dos 25 anos. “Caso o Papanicolau apresente alguma alteração, a paciente deve fazer uma colposcopia de colo de útero”, frisou, acrescentando que a população deve se informar sobre o assunto, para reverter os números do Estado. “Temos um cenário triste. É um câncer que mutila a mulher e que pode ser prevenido. A vacina é eficaz, segura, usada na Europa, no Canadá, no México. Seria interessantíssimo que aqui no Amazonas pudéssemos inverter os números, levantar essa bandeira de que estamos batalhando e vencendo o HPV”, concluiu.

Altamente transmissível, o HPV pode causar, além do câncer de colo de útero, outros tipos da doença, como cânceres anal, vaginal, de faringe e pênis. Por esse motivo, a recomendação das sociedades médicas é que meninos e meninas a partir de 9 anos de idade sejam imunizados contra o vírus.

As vacinas estão disponíveis tanto na rede pública quanto na particular durante o ano todo. Nas unidades de saúde públicas, estão disponíveis para crianças de 9 a 11 anos, enquanto que nas clínicas particulares, como é o caso da Vacinar, localizada na rua Acre, Vieiralves, além da mesma especificidade de público, jovens até 26 anos também podem ser vacinados.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir