Cultura

Entre o desejo sexual e a violência: ‘Fando e Lis’, até sábado no Les Artistes Café-Teatro

Adaptação de Fernando Arrabal faz parte do repertório do Ateliê 23 – Casa de Criação – foto: divulgação

Adaptação de Fernando Arrabal faz parte do repertório do Ateliê 23 – Casa de Criação – foto: divulgação

A partir desta quarta-feira (13) até o próximo sábado (16), no Les Artistes Café-Teatro, o público poderá conferir a peça ‘Fando e Lis’, que destaca o amor entre um homem e uma mulher que reescrevem a história de Romeu e Julieta. A entrada é gratuita.

Trata-se da segunda montagem teatral do Ateliê 23 – Casa de Criação reapresentada por meio do projeto ‘Afetos absurdos’ – que traz de volta a ‘Trilogia Arrabal’ –, com adaptações de textos do dramaturgo espanhol Fernando Arrabal, e a primeira investida da companhia de artes cênicas na área da dança.

Em ‘Fando e Lis’ – interpretação moderna de uma peça escrita por Fernando Arrabal há mais de 50 anos –, o diretor da companhia, Taciano Soares, comanda o elenco formado por Dinne Queiroz, Eduardo Klinsmann, Gleidstone Melo, Ítalo Rui e Jean Palladino. O amor do casal protagonista é negado pela condição física de Lis. Paralítica, ela é conduzida por Fando até a cidade imaginária Tar. No caminho, eles encontram três homens, Namur, Mitaro e Toso, que acentuam a complexidade da cena.

Sem poder possuir a amada fisicamente, Fando transforma seu desejo sexual em violência. Lis consegue encontrar certa fascinação no sofrimento e, quando domina a situação, é capaz de levar Fando ao desespero.

“Mas essa relação vai muito além do que imaginamos de uma história de amor. É intensa, violenta, possui uma estética forte, característica da nossa companhia”, destaca Eric Lima, figurinista e um dos produtores da montagem, que estreou em novembro de 2013.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir