Política

Entrada de público para votação da idade penal gera tumulto na Câmara

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), proibiu a entrada de 60 estudantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) na galeria do plenário da Casa para acompanharem a votação da proposta de emenda à Constituição que reduz de 18 para 16 anos a maioridade penal para crimes violentos. A proibição gerou tumulto na entrada do Salão Verde da Casa.

Os estudantes obtiveram uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), assinada pela ministra Cármem Lúcia, para que possam acompanhar a votação nas galerias. No entanto, Cunha afirmou não ser esta a autorização da Corte.

“A [decisão] que eu recebi, podem ter outras que eu não tenha recebido, tem que ser de garantia da ordem. E eu estou garantindo a ordem”, disse Cunha. Ele afirmou que não irá autorizar a entrada dos estudantes, que reclamaram que há espaço sobrando no plenário.

“Nos disseram que foram distribuídas 200 senhas para os partidos mas são 300 lugares. Então, eles podem liberar a nossa entrada. Nossa senha é o habeas corpus”, disse o estudante Mateus Weber, 20, da UNE. O estudante informou ainda que o presidente da Casa só liberou o acesso deles ao salões Verde e Negro da Câmara. “Ele está sendo negligente, a Casa é do povo”, completou.

O texto do salvo-conduto dado pela ministra assegura o “direito ao ingresso na Câmara dos Deputados, especificamente nos recintos abertos ao público para acompanhar as reuniões destinadas à discussão da PEC 171/1993, observadas as normas legais e regimentais, nos termos da decisão”. No entanto, segundo Cunha, quem não conseguiu uma senha com os deputados, poderá assistir à sessão pela TV Câmara.

Cunha afirmou ainda que o número menor de senhas distribuídas se dá em atendimento à ordens do Corpo de Bombeiros, que determina a entrada de um público menor do que a capacidade das galerias para garantir a segurança de todos.

“São critérios claros e nítidos, usados em outras votações, para que se tenha possibilidade de evacuação sem risco de vida de ninguém. Temos que seguir normas de segurança da Casa. E se tivesse mais 100 lugares, eu distribuiria para os partidos, de acordo com a proporcionalidade”, afirmou.

Durante a confusão, o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI) foi empurrado e caiu quando tentava chegar ao plenário da Casa. “Os manifestantes estavam dizendo que eu não ia poder entrar e me empurraram. Eu nem sei de que lado eles estavam. Isso é um desrespeito à liberdade e à democracia”, afirmou. Outros deputados pediram que a segurança da Casa reforce a garantia de que os parlamentares consigam transitar pela Casa.

Grupos vestindo camisetas contra e a favor a redução da maioridade fizeram protestos nas entradas da Câmara. Favoráveis à redução, gritavam “bandido é na prisão”, enquanto, os contrários, rebatiam: “não à redução, queremos mais saúde e educação”.

A Polícia Legislativa ainda controla o acesso e bloqueia a entrada na Casa. Apenas as pessoas que têm senha estão conseguindo passar.

VOTAÇÃO

Cunha iniciou há pouco a sessão da Câmara com a votação de um requerimento de urgência para projeto que altera a correção do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Em seguida, os deputados votarão o projeto de lei que trata da indexação das dívidas dos Estados e Municípios.

Por isso, a votação da PEC da maioridade penal deve entrar madrugada adentro, segundo Cunha. No entanto, alguns deputados já afirmam que a estratégia de votar duas matérias antes da PEC pode acabar adiando a votação da proposta. Eles afirmam que Cunha está com receio de que a proposta seja rejeitada pela maioria do plenário.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir