Mundo

Empresas do Brasil fecham US$ 1,4 bilhão em negócios em feira na Alemanha

Empresários brasileiros fecharam US$ 1,408 bilhão em negócios durante os cinco dias da Anuga, feira internacional de alimentos e bebidas realizada a cada dois anos na cidade de Colônia, Alemanha. Do total, cerca de US$ 200 milhões correspondem a negócios fechados no ato e o restante refere-se a contratos que serão confirmados ao longo dos próximos 12 meses.

Os números foram divulgados pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex). A Apex informou ainda que a maior parte do montante total está vinculado a negócios envolvendo carne. Segundo André Favero, diretor de negócios da agência, de 84 empresas que representaram o Brasil na Anuga, cerca de 30 são do setor de carne bovina, suína e de frango: “Esse setor, sozinho, representou mais da metade do volume total, pois tem a característica de que, geralmente, os contratos são feitos em grande quantidade”.

De acordo com Favero, o total em negócios, em 2015, supera em 28% o volume atingido na edição anterior da feira de alimentos, em 2013. O diretor de negócios da Apex informa que, apesar de as carnes terem sido o maior destaque, produtos típicos brasileiros e alimentos naturais também tiveram boa procura nesta edição, realizada entre 10 e 14 de outubro.

Segundo Fávero, “Produtos étnicos, como açaí, pão de queijo, castanha do Pará e, ainda, leite de castanha, alimentos sem glúten ou lactose são vertentes com as quais o Brasil tem dialogado muito bem. O feedback das empresas brasileiras é que houve grande interesse nessas duas linhas”, afirma. A Apex contabilizou ainda os novos contatos feitos pelas empresas brasileiras.

De acordo com levantamento da agência, o número de contatos durante o evento ficou em 10,7 mil, 20% maior do que o registrado na última participação na Anuga. “Esses contatos foram registrados porque houve algum tipo de demanda, pedido de informação adicional. As visitas [à feira] foram mais de 150 mil. Pelo menos 10% desse volume passou pelos estandes brasileiros e demonstrou interesse específico em algum produto”, explica André Favero.

De acordo com o diretor da Apex, a Anuga é a feira mais importante entre as do setor, pois “está no calendário das principais feiras do mundo e, em termos de geração de negócios, é a maior. Também é muito importante na formação de tendências. Todas as grandes redes mundiais de restaurantes, supermercados e hoteleiras estão lá”.

O diretor da Apex comentou ainda o fenômeno de queda de preços das commodities (produtos básicos com cotação internacional), que afeta as exportações de alimentos. Segundo ele, a carne, produto mais negociado na feira alemã, não foi atingida.

“No setor de carnes, o embargo da Rússia à União Europeia tem influenciado positivamente o Brasil, ajudando a manter o valor em um patamar um pouco mais alto”, diz Favero. No caso de outros produtos, segundo ele, as quantidades vendidas têm ajudado a contrabalançar a queda de preços, a exemplo do que ocorre com a balança comercial brasileira, já que “o patamar do dólar também estimula as empresas a exportarem”.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir